Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,13%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Robôs poderão fazer taxas de juros caírem ainda mais

Se houver uma ascensão dos robôs, as taxas de juros cairão

Se houver uma ascensão dos robôs, as taxas de juros cairão.

Essa é a hipótese dos delegados da reunião anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, em um momento em que as revoluções da automação e da inteligência artificial estão reformulando o funcionamento das economias.

O argumento é o seguinte: à medida que as máquinas se tornam mais avançadas, muitos trabalhadores perderão seus empregos e outros verão seus salários caírem. As novas tecnologias também aumentarão as chances de ocorra um salto de produtividade como o dos anos 1990.

Essas forças se combinarão e conterão os preços em toda a economia mundial, o que significa que a era da inflação lenta que agora desafia os banqueiros centrais pode ser apenas um sinal do que está por vir.

“O progresso tecnológico limitará a forma pela qual a inflação pode ressurgir”, disse Axel Weber, presidente do conselho do UBS Group e ex-presidente do banco central da Alemanha, em Davos.

O temor é que a chamada quarta revolução industrial prejudique uma fatia crescente da mão de obra, gerando desemprego e colocando pressão sobre os salários e, portanto, sobre o consumo, especialmente dos funcionários com baixa qualificação.

Distúrbio político

O fórum calcula que o nível maior de automação resultará em mais de 5 milhões de empregos perdidos até 2020 em 15 economias desenvolvidas e emergentes. Essa perspectiva já está inquietando os eleitores em todo o mundo, causando distúrbios políticos e gerando apoio para populistas como Marine Le Pen e Donald Trump.

“O primeiro efeito são os salários mais baixos para as pessoas que são substituídas”, disse Adam Posen, ex-estrategista do Banco da Inglaterra que atualmente administra o Instituto Peterson de Economia Internacional, em Washington. “Isso deverá se ajustar ao longo do tempo, mas o impacto inicial é deflacionário”.

Como a mão de obra restante se tornaria mais eficiente, os otimistas apostam em uma expansão da produtividade semelhante a quando a era da internet ajudou a impulsionar uma taxa de crescimento de 3,5 por cento da produtividade nos EUA entre 1996 e 2003, permitindo que os banqueiros centrais mantivessem os juros mais baixos do que em uma situação contrária.

O Bank of America calcula que a adoção de robôs e de inteligência artificial poderia aumentar a produtividade em 30 por cento em muitos setores.

Destruindo máquinas

“O resultado é um ambiente de baixa inflação”, disse Laura Tyson, ex-conselheira econômica do presidente Bill Clinton, atualmente professora da Faculdade de Negócios Haas da Universidade da Califórnia em Berkeley.

Outro problema para os otimistas é o impacto sobre a política. Assim como quando os ludistas destruíram as máquinas na primeira revolução industrial, uma outra reformulação mundial poderia provocar discórdia entre eleitores e políticos reacionários.

“Esta será uma mudança radical”, disse Johan Dennelind, CEO da TeliaSonera, uma operadora de telecomunicações sueca. “Poderia ser realmente doloroso. Acho que temos que admitir que será doloroso e usar o senso comum para nos prepararmos para isso”.

O prêmio Nobel Edmund Phelps disse que os governos podem ter que reagir a isso redistribuindo o imposto de renda em direção àqueles que sofrem com os lucros desfrutados por aqueles que utilizam os novos avanços.

Os banqueiros centrais já estão se preparando para o desafio. Em novembro, Andrew Haldane, economista-chefe do Banco da Inglaterra, estimou que a automação poderia custar 15 milhões de empregos britânicos.

Repensando a política

“Se a substituibilidade entre a mão de obra e o capital é mais elevada que no passado, o poder de barganha da mão de obra e a fatia da renda poderiam ser proporcionalmente mais baixos”, disse ele. “O resultado é um caminho substancialmente mais baixo para a inflação”.

Um ambiente assim é outro motivo pelo qual os bancos centrais terão que repensar como entregar estabilidade de preço após descumprirem repetidas vezes suas metas de inflação desde a crise financeira, disse Paul Sheard, economista-chefe global da Standard Poor’s.

“É um motivo para dar um passo para trás e ter um brainstorm”, disse ele em Davos.