Produtores criticam PF por generalizar escândalo na carne

As declarações foram uma reação da ABPA e da Abiec à Operação Carne Fraca, deflagrada na última sexta pela PF e que afetou principalmente a JBS e a BRF

São Paulo – A Associação Brasileira de Carne Animal (ABPA) e a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) afirmaram nesta segunda-feira que a investigação iniciada pela Polícia Federal em várias grandes empresas do setor é “generalista” e prejudica a imagem do segmento no exterior.

“A comunicação, em nossa opinião, deu origem a essa difusão e no minuto seguinte as empresas de carne brasileira foram todas jogadas no lixo”, disse o presidente da ABPA, Francisco Turra, durante entrevista coletiva organizada pelas duas entidades em São Paulo.

As declarações foram uma reação da ABPA e da Abiec à Operação Carne Fraca, deflagrada na última sexta-feira pela Polícia Federal e que afetou principalmente a JBS e a BRF, duas das maiores exportadoras mundiais de carne.

Turra avaliou que o ideal era “delimitar a irregularidade” porque até funcionários públicos estão sob suspeita e esclarecer que empresas estão envolvidas no escândalo.

Para o técnico da ABPA Ruy Vargas houve “erro ao fazer uma massificação da informação tentando criar uma imagem completamente negativa da carne brasileira para consumidores e compradores”.

“Todas as coisas que foram ditas estão tecnicamente equivocadas”, criticou Vargas.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informou que seis frigoríficos foram suspensos desde o início da operação.

Quatro deles, além de abastecer o mercado interno, exportavam para a União Europeia, que anunciou hoje um embargo às carnes dessas instalações.

De acordo com o presidente da Abiec, Antonio Jorge Camardelli, na primeira semana deste mês “havia uma perspectiva muito boa de agregar (à indústria) US$ 6 milhões em 2017”, procedentes de diferentes mercados. A Operação Carne Fraca teria “manchado” o trabalho de busca desses novos negócios.

Entre os mercados que preocupam as duas entidades estão China, Estados Unidos, Indonésia, Canadá e México, além dos países que integram a União Europeia.

Segundo dados oficiais, Brasil é o maior exportador mundial de carne bovina e de frango, o quarto no segmento de porcos. As vendas ao exterior dos três setores representam 7,2% desse comércio no ano passado, com US$ 11,2 bilhões.

Alguns países como Coreia do Sul, China e Chile, além da UE anunciaram hoje diferentes medidas restritivas sobre a carne procedente do Brasil.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. ViP Berbigao

    Com é? A culpa é de quem investiga? Os Órgãos Federais envolvidos prestam um serviço público em prol da coletividade. O Brasil está mesmo na mão de mafiosos, em todos os cantos, deter a propriedade não é justificativa para agir como bem entende o seu dono. O Brasil é uma Democracia, ou quase…