Política fiscal pode deixar de ser expansionista, diz Copom

A política fiscal deve sair da posição expansionista para a de neutralidade, segundo avaliação do Copom

Brasília – A política fiscal deve sair da posição expansionista (estímulos à economia) para a de neutralidade, segundo avaliação do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC).

De acordo com a ata da última reunião do Copom, divulgada hoje (5), “criam-se condições para que, no horizonte relevante para a política monetária, o balanço do setor público se desloque para a zona de neutralidade”. Na ata anterior, em julho, o comitê avaliava que a política fiscal estava em posição expansionista, ou seja, com aumento de despesas e redução de impostos para estimular a economia.

O Copom também avalia que a geração de superávits primários, economia para o pagamento de juros da dívida pública, deve contribuir para “arrefecer descompasso entre as taxas de crescimento da demanda e da oferta” na economia. Além disso, o Copom destaca que os resultados primários solidificam a tendência de redução da dívida pública e a percepção positiva sobre o ambiente econômico no médio e no longo prazo.