NY pode ser maior favorecida com êxodo causado por Brexit

Nova York está surgindo como principal candidata para atrair talentos dos bancos se a indústria financeira de Londres for prejudicada pelo Brexit

Londres – Se o Brexit obrigar os bancos a fugir de Londres, talvez o grande vencedor esteja a 5.600 quilômetros de distância, muito além das fronteiras da Europa.

Nova York, mais que Frankfurt ou Paris, está surgindo como principal candidata para atrair talentos dos bancos se a indústria financeira de Londres for prejudicada pelo divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, segundo políticos e executivos do setor.

A maior cidade dos EUA, e não os centros financeiros europeus, é o lugar que está à altura de Londres em termos de profundidade de mercado, amplitude de experiência ou apelo regulatório.

A Europa Continental conseguirá algumas operações bancárias para satisfazer às normas regionais e garantir um acesso com fuso horário amigável a seus mercados, mas a maioria pode acabar atravessando o Atlântico rumo ao único outro lugar apto para todo tipo de negócios.

“Não existe um lugar na UE que seja um centro com a infraestrutura ou a regulamentação para desempenhar o papel de Londres”, particularmente nos mercados de capitais, disse John Nelson, presidente do Lloyd’s of London, em entrevista.

“Só existe uma cidade no mundo capaz disso, e é Nova York”.

Para muitos bancos de investimento internacionais, Londres é a maior ou a segunda maior sede.

Se os benefícios de escala diminuírem por terem que deslocar mais funções para a Europa, talvez os bancos tentem reduzir ainda mais suas operações em Londres, transferindo qualquer funcionário que possa desempenhar sua função independentemente do fuso horário, como os cargos internacionais de assessoria de fusões, trading e administração interna de tecnologia e finanças.

Mais empregos poderiam ser deslocados à medida que atividades específicas de trading buscarem um novo epicentro.

O presidente da London Stock Exchange, Xavier Rolet, foi franco: ele disse que se o Brexit privar Londres da capacidade de compensar transações com derivativos em euros, todas as operações se mudariam para a única outra cidade capaz de compensar as 17 principais moedas: Nova York.

Limites

O transplante generalizado do setor financeiro londrino tem limites. Um importante é a necessidade de estar no Espaço Econômico Europeu para vender bens e serviços a seus mais de 450 milhões de cidadãos.

Outro é o horário. São3 da manhã na costa leste dos EUA quando os mercados europeus abrem e 21 horas em Londres quando a Bolsa de Nova York fecha.

A cultura também é importante. Um banco estrangeiro pode ter problemas para convencer empresas regionais de que ele entende seus negócios melhor do que uma empresa local.

Algumas companhias teriam poucos motivos para levantar capital ou emitir dívida em dólares. E centros financeiros asiáticos, como Cingapura e Hong Kong, também tentarão atrair negócios às custas de Londres.

“Não há certeza de que, caso se mudem, os bancos irão para outro centro europeu”, disse Vincenzo Scarpetta, analista sênior de políticas do Open Europe, think tank com sede em Londres.

“Nova York, em particular, é um centro muito maior que Paris. Se isso acontecer, a Europa como um todo se sairá pior. Evitar isso deveria ser do interesse de todos nas próximas negociações.”