Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Novo leilão de aeroportos deve ter ágio menor que anteriores

Aeroportos de Salvador, Fortaleza, Porto Alegre e Florianópolis devem ter um ágio menor em relação aos leilões anteriores

São Paulo – O leilão dos aeroportos de Porto Alegre, Florianópolis, Salvador e Fortaleza, marcado para o dia 16 de março, deve contar majoritariamente com a participação de consórcios mistos, unindo investidores nacionais e internacionais.

No entanto, analistas e especialistas acreditam que os lances pelos ativos deverão conter ágios menores em relação aos leilões anteriores.

Além disso, em meio às incertezas econômicas e políticas do País, operações no setor de infraestrutura devem se concentrar mais na renovação de contratos do que na realização de novas concessões.

Para o coordenador do Núcleo de Logística, Infraestrutura e Supply Chain da Fundação Dom Cabral, Paulo Resende, os aeroportos são atraentes para os grupos internacionais, uma vez que o setor possui um marco regulatório adequado, os investimentos não são tão altos em relação ao potencial de retorno e a participação da Infraero foi retirada da modelagem – nos leilões passados, a estatal continuava com uma fatia de 49% dos aeroportos.

Resende destaca, contudo, que a participação dos grupos nacionais permanece uma incógnita, devido ao envolvimento de players importantes na Operação Lava Jato.

“No entanto, a atratividade continua e provavelmente teremos um mix de grupos internacionais e nacionais, até mesmo em consórcio”, afirma.

Outros casos

Nos outros modais de infraestrutura, os analistas avaliam que a ocorrência de eventuais concessões devem ser pontuais – além dos aeroportos, o governo anunciou até agora apenas o leilão de um terminal portuário em Santarém (PA), em 23 de março.

“Por causa da instabilidade geral no cenário político, me parece mais factível que vejamos a prorrogação antecipada do que já existe e a relicitação de concessões que vem sofrendo questionamentos”, avalia o sócio da LL Advogados, Leonardo Coelho.

Para Resende, a MP 752, conhecida como MP das Concessões, editada pelo governo em novembro, vai ao encontro dessa percepção.

“A MP teve uma preocupação muito mais de garantir a continuidade de algumas concessões já realizadas do que cuidar da garantia de segurança das novas”, diz.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.