São Paulo - Alexandre Tombini, presidente do Banco Central, deve deixar o governo caso Lula promova uma mudança na política econômica.

A informação foi citada em reportagem do jornal Valor Econômico, da Folha de São Paulo e da agência de notícias Broadcast. 

Lula foi anunciado hoje como ministro da Casa Civil do governo Dilma. De acordo com Vera Magalhães, da Veja, ele já convidou Henrique Meirelles para o comando do BC.

Tombini está no cargo desde o início do governo Dilma em 2011 e esteve à frente de um ciclo de corte dos juros em 2012/2013 mesmo diante de inflação acima da meta.

Atualmente, ele é criticado pelo Partido dos Trabalhadores e por alas do governo justamente pelo contrário: o aumento dos juros em meio a uma recessão para combater uma inflação que em 2015 registrou sua maior taxa desde 2002.

Segundo o Valor, a ideia de Lula dentro do governo é promover um "plano de reanimação nacional" com medidas que resgatem a confiança de empresários e consumidores.

Não seria uma "guinada à esquerda" (como quer o PT), com queda forçada da Selic ou a saída de Barbosa, mas a reforma da Previdência seria engavetada por enquanto.

De resto, o plano teria uma combinação difícil de contemplar entre as diretrizes fiscais já anunciadas por Barbosa com liberação de crédito para a construção civil e mais recursos para o Programa de Aceleração do Crescimento e o Minha Casa Minha Vida.

Atualizada às 14h24

Tópicos: Alexandre Tombini, Personalidades, Economistas, Banco Central, Mercado financeiro, Governo Dilma, Presidente Lula, Luiz Inácio Lula da Silva, Políticos, Políticos brasileiros, PT, Política no Brasil, Partidos políticos