Rio de Janeiro - A produção industrial brasileira recuperou-se de dois meses de fraqueza ao avançar 0,7 por cento em setembro na comparação com agosto, com impulso do segmento de bens de capital, mas ainda assim ficou abaixo do esperado.

Na comparação com setembro de 2012, a produção avançou 2,0 por cento, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Pesquisa da Reuters apontava na mediana alta de 1,20 por cento na comparação mensal e avanço de 2,80 por cento ante o mesmo mês do ano passado.

A produção brasileira voltou crescer após ter estagnado em agosto e recuado 2,4 por cento em julho na comparação mensal.

Em setembro, o destaque ficou para a categoria Bens de Capital, medida de investimento, que avançou 4 por cento ante agosto e 24,1 por cento ante o mesmo período de 2012.

O segmento de Bens Intermediários ficou estagnado na comparação mensal e apresentou avanço de 0,4 por cento ante setembro do ano passado.

Por outro lado, a categoria Bens de Consumo recuou 0,2 por cento ante agosto, pressionado pela queda de 1,4 por cento na produção de semiduráveis e não duráveis, terceiro mês seguido de resultado negativo e que anulou parte da alta de 2,3 por cento em duráveis. Ante setembro de 2012, a produção de bens de consumo teve queda de 0,9 por cento.

Veículos

Pelos ramos de atividade, 13 dos 27 pesquisados apresentaram alta mensal, com destaque para veículos automotores, que teve alta de 6,2 por cento.

Por outro lado, a produção de impressão e reprodução de gravações caiu 12,2 por cento e o refino de petróleo e produção de álcool mostrou queda de 4,5 por cento.

A indústria brasileira enfrenta um ano de performance errática, apresentando dificuldades de firmar uma recuperação apesar de medidas de estímulo do governo. Neste ano, houve queda de produção em três meses na base mensal, todas na casa de 2 por cento.

Como resultado, a confiança do setor foi abalada, mantendo-se no menor nível desde 2009.

Para outubro, entretanto, já há sinal de alguma melhora. A pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) compilada pelo Markit aponta que a indústria brasileira voltou a registrar expansão pela primeira vez em quatro meses no mês passado, em meio a níveis mais altos de produção.

Os analistas acreditam, segundo última pesquisa Focus do Banco Central, que a produção industrial do Brasil terá expansão de 1,80 por cento neste ano e de 2,39 por cento em 2014.

Atualizado às 10h39

Tópicos: Economia brasileira, IBGE, Estatísticas, Setores, Indústrias em geral, Indústria