Lisboa - A oposição socialista de Portugal exigiu neste domingo a renegociação do pacote de resgate concedido pela União Europeia (UE) a Portugal com as mesmas condições aplicadas na ajuda financeira proposta aos bancos da Espanha, mas o governo conservador de Lisboa indicou que isto não se justifica por enquanto, embora espere o mesmo tratamento.

'Não vejo razão para pedir uma renegociação das condições', afirmou o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho. 'Estaremos atentos para ver como se processa o programa específico aos bancos espanhóis'.

'Se houver alguma condição excepcional que deveria ser compartilhada com os outros países sob assistência, não tenho dúvida de que será aplicada', acrescentou o líder conservador luso, em declarações aos jornalistas após um ato oficial.

Mas Antonio José Seguro, secretário-geral do Partido Socialista (PS) luso, o principal da oposição, disse que Portugal deveria aproveitar o momento para exigir o mesmo tratamento dado à Espanha.

A ajuda financeira aos bancos espanhóis representa um 'reconhecimento da UE de que a austeridade não é o caminho', afirmou o líder do PS. 'É necessário que a UE trate todos os Estados-membros da mesma maneira. Não pode haver Estados de primeira e Estados de segunda'.

Passos Coelho, por sua vez, fez questão de lembrar que a ajuda à Espanha de até 100 bilhões de euros anunciada neste sábado pela zona do euro será concedida aos bancos, e não ao Estado espanhol.

Tópicos: Crise econômica, Europa, Portugal, Piigs