Luciana Collet - O consórcio Move São Paulo, formado pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão, UTC Participações e o fundo de investimentos Eco Realty foi o único a apresentar proposta pela concessão para a construção, operação e manutenção da linha 6 - Laranja - do Metrô de São Paulo, no modelo de Parceria Público-Privada.

Potenciais interessados tiveram dez minutos para entregar a proposta, entre às 14h e as 14h10, deste quinta-feira, 31. A comissão de licitação ainda analisa a garantia da proposta para dar prosseguimento ao processo de leilão. Ainda hoje deverá ser aberta a proposta comercial.

O projeto, orçado em R$ 7,8 bilhões, dos quais 50% deverão ser feitos pelo Estado, prevê a construção de uma linha de 15,3 quilômetros de extensão que ligará a zona Norte ao centro de São Paulo, no trecho entre Brasilândia e São Joaquim, abrangendo 15 estações enterradas.

A expectativa é de que passem pela linha 634 mil passageiros diariamente, com estimativa de crescimento médio anual de 1,5% durante o período de concessão, de 25 anos. As obras de construção devem levar seis anos. Está prevista a possibilidade de ampliação da linha de Brasilândia a Bandeirantes, com cinco estações adicionais, o que depende de autorização por parte do governo.

Esta é a segunda vez que o governo de São Paulo tenta leiloar o projeto. Na primeira tentativa, em 30 de julho, não houve interessados. O governo modificou algumas condições do edital que foram alvo de críticas dos investidores.

Tópicos: Concessões, Privatização, Consórcios, Empresas, Metrô de São Paulo, Estatais brasileiras, Transportes no Brasil, Transporte público, Empresas estatais, Mobilidade urbana