Rio de Janeiro/ São Paulo - A alta dos preços de alimentação, transportes e habitação mostraram algum alívio em fevereiro e a inflação oficial brasileira desacelerou para o nível mais baixo em quatro meses.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registrou alta de 0,90 por cento em fevereiro, após avançar 1,27 por cento no mês anterior, informou nesta quarta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 12 meses, a alta acumulada do índice até fevereiro foi a 10,36 por cento, desacelerando sobre os 10,71 por cento de janeiro.

Em ambos os casos, os resultados são os mais baixos desde outubro do ano passado, quando o IPCA avançou 0,82 por cento na base mensal e 9,93 por cento em 12 meses, última vez em que ficou abaixo dos dois dígitos.

Assim, os números começam a dar algum fôlego às expectativas de que os preços começariam a ceder depois de a economia brasileira ter registrado o pior desempenho em 25 anos no ano passado.

Os resultados ficaram abaixo das expectativas em pesquisa da Reuters de avanço de 1,0 por cento na comparação mensal e de 10,47 por cento em 12 meses.

O maior destaque em fevereiro ficou para Educação, com alta de 5,90 por cento como reflexo dos reajustes de início de ano, após avançar 0,31 por cento em janeiro. Já Alimentação e Bebidas desacelerou o avanço em fevereiro a 1,06 por cento, de 2,28 por cento.

Apesar do alívio nos preços dos alimentos, que tem importante peso sobre a renda das famílias, esse grupo mais Educação responderam por 60 por cento do IPCA do mês, ou 0,54 ponto percentual.

Também apresentaram desaceleração importante Transportes, para uma alta de 0,62 por cento sobre 1,77 por cento em janeiro, e Habitação, cujos preços passaram a cair 0,15 por cento depois de subirem 0,81 por cento no primeiro mês do ano.

Matéria atualizada às 9h50

Tópicos: IBGE, Estatísticas, IPCA, Inflação, Indicadores