Aguarde...

Amanhã | 09/04/2013 16:51

Inflação acumulada em 12 meses pode superar teto da meta

IPCA de março, que será divulgado amanhã, pode mostrar alta de 6,6% no acumulado dos últimos 12 meses, acima do teto da meta, segundo relatório do Santander

Hedwig Storch/Wikimedia Commons

Tomates

Inflação: última vez que a inflação acumulada em 12 meses ultrapassou o teto da meta foi em novembro de 2011

São Paulo – Amanhã o IBGE divulga a inflação, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA), referente ao mês de março. Existe a expectativa no mercado de que a taxa acumulada em 12 meses (até março) passe o teto da meta de inflação (6,50%).

A última vez que a inflação acumulada em 12 meses ultrapassou o teto da meta foi em novembro de 2011, quando chegou a 6,64%, segundo dados do IBGE – no mês seguinte ela ficou exatamente na meta, 6,50%. Em 2011, a inflação acumulada em 12 meses havia começado a ultrapassar o teto em abril.

O Boletim Focus dessa semana mostra uma expectativa de que o IPCA tenha registrado alta de 0,50% em março – o que levaria a inflação acumulada em 12 meses para acima do teto da meta de 6,5%. Essa mesma projeção apareceu em relatórios do Credit Suisse, LCA e Santander dessa semana. “Se nossa projeção de confirmar, devemos contar com uma alta de 6,6% nos últimos 12 meses (acima do teto da meta de inflação)”, afirmou o Santander.

Em boletim divulgado na segunda feira, o Bradesco afirmou que o resultado da inflação que será apresentado amanhã será importante para definir os próximos passos de política monetária no país, tendo em conta as declarações e comunicados recentes dos dirigentes do Banco Central. A equipe econômica do banco espera uma desaceleração da inflação ao consumidor para 0,48% no período, após alta de 0,6% registrada em fevereiro.

A inflação de março será a pior da série deste ano, segundo relatório da Gradual Investimentos assinado por seu economista-chefe, André Perfeito. “Até mesmo os mais pessimistas veem no final do ano com IPCA mais baixo que agora”, diz o relatório.

Juros

Para a LCA, no contexto de inflação acumulada nos últimos 12 meses acima do teto da meta é provável que uma parte do Comitê de Política Monetária vote por uma elevação imediata de juros – mas na reunião de maio e não na próxima semana.

No entanto, a LCA avalia que, se a Selic não começar a ser ajustada já na reunião da próxima semana, poderão aumentar as chances de que o Banco Central desarme o aperto monetário. O cenário base de ajuste da LCA é de três elevações de 50 pontos-base - ou seja, o juro básico chegaria a 8,75% ao ano. Mas a consultoria avalia ser mais provável que o orçamento total do ajuste seja menor do que esse.

Comentários (0)  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados