Rio de Janeiro - Produtores brasileiros de celulose, papel e painéis de madeira elevaram exportações no ano passado, aproveitando um ambiente externo e cambial favorável e minimizando um mercado interno em que segmentos consumidores como construtoras se retraíram, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pela Indústria Brasileira de Árvores (Ibá).

As exportações de celulose, cuja produção nacional é voltada principalmente ao mercado externo, atingiram 11,5 milhões de toneladas em 2015, crescimento de 8,6 por cento ante 2014. Já as vendas externas de painéis de madeira, insumo mais voltado ao consumo interno, saltaram 52,3 por cento, para 641 mil metros cúbicos, enquanto as exportações de papel avançaram 11,5 por cento, para 2,1 milhões de toneladas.

Segundo o Ibá, a Europa manteve-se como principal destino da celulose brasileira, com 38,5 por cento das vendas, seguida pela China (33,2 por cento) e América do Norte (17,6 por cento).

Os embarques para a China cresceram 8,8 por cento no ano. Ao mesmo tempo, as vendas domésticas de painéis, insumo muito consumido pela indústria da construção civil, caíram 11,3 por cento em 2015, para 6,4 milhões de metros cúbicos. Apenas em dezembro, a queda anual foi de 18 por cento, a 429 mil metros cúbicos. Em papéis, a queda nas vendas domésticas em 2015 foi de 4,6 por cento, para 5,45 milhões de toneladas, tendo retração de 6 por cento em dezembro sobre um ano antes.

"O ano de 2016 será austero e o mercado continuará enfrentando os mesmos desafios de 2015. As previsões devem ser cautelosas, pois ainda não há um quadro claro sobre as medidas de estímulo à economia que serão anunciadas pelo governo", disse a presidente-executiva do Ibá, Elizabeth de Carvalhaes, em nota.

Tópicos: Comércio exterior, Exportações, Florestas, Setores, Papel e celulose, Papel e madeira