Paris - O presidente francês, François Hollande, anunciou nesta segunda-feira a criação de um esquema de criação de empregos de 2,2 bilhões de euros na tentativa de uma possível reeleição em 2017, acenando para a ala à esquerda de seu Partido Socialista sem se desfazer das reformas favoráveis às empresas.

O aumento do desemprego, a uma alta de 10,6 por cento em 18 anos, tem perseguido Hollande ao longo de sua presidência.

Além disso, é um lembrete aos eleitores de que ele falhou com suas promessas de colocar a taxa de desemprego em um curso descendente de forma convincente, o que definiu como pré-condição para concorrer à próxima eleição presidencial.

Hollande disse que o plano, que inclui subsídios para companhias que contratarem novos funcionários, não se tratava de uma conta política.

Ele resistiu à pressão de alguns em seu partido para algo mais radical para ajudar a baixa remuneração e desempregados após as perdas eleitorais regionais, atraindo a ira de alguns parlamentares e sindicalistas do comércio, enquanto empregadores disseram que as ações eram um passo na direção certa, mas não ia longe o suficiente.

Hollande reafirmou os planos para avançar com mais mudanças favoráveis aos negócios, incluindo um limite para o montante que os trabalhadores demitidos podem reivindicar na Justiça do Trabalho, algo que os empregadores vêm pedindo há muito tempo.

"O que conta é a percorrer todo o caminho com reformas, para fazer as reformas esperadas sem pensar em qualquer outra coisa que não seja a sua eficácia, a utilidade e pertinência", disse Hollande durante o discurso em que apresentou as medidas.

“Nesse ponto, vou percorrer todo o caminho e chamo a todos a participarem”, disse.

Sob o plano de dois anos de Hollande, que entra em vigor imediatamente, as empresas com menos de 250 funcionários receberiam 2.000 euros para contratar jovens e pessoas desempregadas com contratos de mais de seis meses.

Mais 1 bilhão de euros iria para a capacitação de profissionais e um corte permanente de impostos será feito na folha de pagamento.

O objetivo é fazer com que 500.000 pessoas ingressem nos programas de capacitação, acima dos 400.000 dos primeiros nove meses do ano passado, tirando-os do desemprego, que atingiu o nível recorde de 3,5 milhões de franceses.

Tópicos: Desemprego, Empregos, François Hollande, Políticos