Brasília - A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) publicou ontem (22) o edital para o segundo leilão de arrendamentos portuários, que será realizado no dia 31 de março e trará áreas localizadas no Pará.

Embora os documentos não tragam valores para a outorga mínima pelos empreendimentos, as estimativas de receitas nos 25 anos de contratos dos terminais somam R$ 6,172 bilhões.

O primeiro terminal de Santarém tem 27,9 mil m² de área e será destinado ao embarque de soja. Com receitas estimadas em R$ 1,764 bilhão ao longo do contrato, o operador desse terminal pagará à administração do Porto uma taxa de arrendamento fixo de R$ 54.210 por mês, além de R$ 0,70 por tonelada movimentada.

Já o segundo terminal de Santarém tem 26,6 mil m² de área e será voltado ao embarque de minério. O terminal tem receitas estimadas em R$ 751,141 milhões ao longo dos 25 anos de contrato. O vencedor do lote pagará R$ 30.391fixos por mês à administração do porto, além de R$ 1,30 por tonelada movimentada.

Em Outeiro, serão licitados três terminais idênticos, cada um com 35 mil m² destinados ao embarque de soja. Com receitas estimadas em R$ 632,687 milhões em cada área durante o contrato, cada terminal pagará à administração do porto R$ 18.980 fixos mensais, mais R$ 0,60 por tonelada movimentada.

Por fim, o terminal de Vila do Conde volta ao edital depois de não ter tido interessados no leilão realizado em dezembro. Com 56,8 mil m² voltados para o embarque de soja, o terminal tem receitas estimadas nos 25 anos de contrato de R$ 1,764 bilhão e o operador deverá pagar à administração do porto a taxa fixa de arrendamento de R$ 53.642 por mês, mais R$ 0,71 por tonelada movimentada.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tópicos: Leilões, Pará, Infraestrutura, Portos, Transportes