Washington - Os preços ao consumidor norte-americano tiveram em fevereiro a maior alta em dez meses com o aumento dos preços da gasolina, mostrou um relatório do governo divulgado nesta sexta-feira, mas havia poucos sinais de crescimento de pressões inflacionárias.

A alta da gasolina representou um pequeno abalo na confiança do consumidor no início deste mês, mostraram outros dados nesta sexta. No entanto, os americanos não acreditam que a atribulação nos postos continuará e esperam que o mercado de trabalho se fortaleça ainda mais.

O Departamento do Trabalho disse que o seu índice de preços ao consumidor avançou 0,4 por cento, após subir 0,2 por cento em janeiro. A gasolina representou mais de 80 por cento do aumento dos preços ao consumidor no mês passado, disse o departamento.

Excluindo-se as voláteis categorias de alimentos e energia, a pressão inflacionária ficou em geral contida. O núcleo do índice subiu 0,1 por cento após ganho de 0,2 por cento em janeiro.

"Apesar do avanço nos preços da energia, que devem ter efeitos apenas temporários sobre a inflação, a trajetória de queda para a inflação de preços ao consumidor continua em grande parte intacta", disse o macroestrategista sênior da TD Securities em Nova York Millan Mulraine.

"Esperamos que o cenário inflacionário benigno e o fraco ritmo de absorção na economia proporcionem um ambiente favorável à política monetária." O Federal Reserve (banco central norte-americano) disse na quinta-feira que o recente pico nos gastos com energia também poderia elevar a inflação temporariamente. No médio prazo, a inflação poderia ficar igual ou abaixo de sua meta de 2 por cento, afirmou o Fed.

Apesar de o banco central dos EUA reiterar a expectativa de que as taxas de juro de overnight permaneçam próximas a zero pelo menos até o fim de 2014, não deu pistas sobre se lançará uma terceira rodada de compra de títulos para estimular ainda mais a recuperação.

Os preços da gasolina aumentaram em 20 centavos de dólar no mês passado. Isso provocou queda no índice de confiança do consumidor medido pela Thomson Reuters/Universidade de Michigan para 74,3 no início de março, depois de 75,3 no mês anterior. Os consumidores, no entanto, não esperam que o aumento dos preços da gasolina dure muito tempo.

Em outro relatório, o Fed disse que a produção nas minas, fábricas e instalações do país ficaram estáveis no mês passado, após um ganho revisado para cima de 0,4 por cento em janeiro.

A produção industrial avançou 0,3 por cento, mesmo com montadoras cortando a produção em 1,1 por cento depois de dois grandes ganhos mensais.

Tópicos: Combustíveis, Estados Unidos, Países ricos, Inflação, Preços