Aguarde...

Consumo | 10/03/2011 10:24

Consumo de bebidas, beleza e alimentação cresce no Nordeste

Levantamento do Instituto Data Popular reforça o poder da classe C e mostra valores gastos pela população

Paulo Macedo, do

GERMANO LUDERS

Supermercado (GERMANO LUDERS)

Gastos da classe C com higiene e beleza evolui expressivamente

São Paulo - A elevação dos níveis de consumo no Brasil nos últimos oito anos está revelando cada vez mais o poder da classe C no cenário econômico. Uma nova avaliação do Instituto Data Popular realizada em todas as regiões do país mostra que há aumento expressivo nos itens alimentos e bebidas, movimento que é caudatário da evolução no índice de empregos formais no país nesse período.

Na região Norte, em 2002, o consumo de bebidas e alimentação (em casa e fora) exigiu desembolso da classe C de R$ 1,678 bilhão. No ano passado, a região contabilizou R$ 12,359 bilhões segundo o Data Popular. Desse total, R$ 9,060 bilhões é consumo alimentício no lar. A região Nordeste saltou de R$ 6,172 bilhões em 2002 para R$ 38,698 bilhões em 20120.

Um destaque para o consumo em bares e restaurantes: há oito anos era de R$ 983 milhões e agora chega a R$ 8,174 bilhões. No Centro-Oeste o volume de consumo em alimentos e bebidas em 2002 era de R$ 2,497 bilhões e no ano passado fechou com R$ 13,696 bilhões.

O Sul do país consumiu R$ 7,058 bilhões de bebidas e artigos de alimentação no início do primeiro governo Lula e no final do seu segundo mandato, em dezembro do ano passado, contabilizou R$ 30,430 bilhões. O Sudeste, com R$ 93,089 bilhões em 2010, liderou o consumo de alimentos e bebidas.

Em 2002, a região composta pelos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais apresentou volume de R$ 22,060 bilhões. O maior índice, com R$ 66,088 bilhões, foi para as compras direcionadas para consumo no lar.

Já os gastos da classe C com higiene e beleza, segmentos de grandes anunciantes, também evolui expressivamente. Em 2002, o Norte somava R$ 144 milhões, em 2010 atingiu R$ 1,40 bilhões. No Nordeste era R$ 460 milhões e chegou a R$ 4,83 no ano passado.

No Centro-Oeste, os valores são de R$ 215 milhões e R$ 1,61 bilhões, respectivamente, no período. No Sudeste, a relação começa em R$ 1,08 bilhões em 2002 e alcança R$ 9,17 bilhões em 2010, sendo que no Sul do país a quantia investida há 9 anos era de R$ 468 milhões, e hoje é de R$ 2,80 milhões.

Comentários (0)  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados