Brasília - Um aumento de 0,5% em outubro na comparação com setembro na confiança do consumidor é resultado, especialmente, do otimismo em relação à evolução da inflação e do emprego nos próximos seis meses, de acordo com o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec), divulgado hoje (31) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A pesquisa mostra também as expectativas dos consumidores para os próximos seis meses em relação à renda pessoal e à intenção de realizar compras de maior valor.

Revela ainda se a situação financeira e o endividamento dos entrevistados melhoraram, pioraram ou continuam iguais em relação aos últimos três meses.

Apesar do otimismo registrado pela pesquisa, com um total de 110,7 pontos (0,5% sobre o resultado de setembro, 110,1), o Inec de outubro permanece abaixo da média de 113,7 pontos registrada nos primeiros cinco meses de 2013, segundo o estudo divulgado pela CNI.

A sondagem deste mês ouviu 2.002 pessoas em 142 municípios, entre os dias 17 e 21.

Conforme a pesquisa, o índice de expectativa de inflação aumentou 5,5% e o índice de expectativa de desemprego cresceu 1,8% em outubro frente a setembro. O aumento dos dois indicadores revela crescimento do otimismo dos consumidores.

De acordo com o economista da CNI Marcelo Azevedo, esses índices aumentam à medida que a expectativa se torna mais positiva.

Em relação à renda pessoal, porém, a pesquisa mostra que a população está menos otimista com o futuro. O indicador de expectativa de evolução da própria renda nos próximos seis meses caiu 0,8% em relação a setembro.

A avaliação sobre o endividamento também foi mais negativa. O índice de endividamento para os próximos três meses caiu 3,3% em outubro frente a setembro.

Apesar dessa situação, os brasileiros não pretendem deixar de ir às compras, de acordo com as entrevistas realizadas para o Inec: o índice de compras de bens de maior valor cresceu 1% em outubro, frente ao mês anterior.

Tópicos: Consumidores, Economia brasileira, Renda, Renda pessoal