Aguarde...

Plano | 05/03/2012 10:11

China terá menos crescimento e mais estabilidade em 2012

O governo chinês também anunciou um Exército mais forte e moderno para este ano

Pascale Trouillaud, da

Liu Jin/AFP

Wen Jiabao detalhou este programa em um discurso de mais de duas horas na reunião plenária anual da Assembleia Nacional Popular

Wen Jiabao detalhou este programa em um discurso de mais de duas horas na reunião plenária anual da Assembleia Nacional Popular

Pequim - O governo chinês prevê em 2012 um crescimento econômico menor que em 2011 e se propõe a reduzir as tensões sociais no campo e acelerar a modernização do Exército para enfrentar eventuais guerras locais na Ásia, indicou nesta segunda-feira o primeiro-ministro, Wen Jiabao.

Wen detalhou este programa em um discurso de mais de duas horas na reunião plenária anual da Assembleia Nacional Popular (ANP, Parlamento), a poucos meses do início de uma grande renovação geracional dos dirigentes da potência comunista.

O primeiro-ministro anunciou uma meta de crescimento do PIB da segunda economia mundial de 7,5% em 2012, abaixo dos 9,2% registrados em 2011 e dos 10,4% de 2010, devido à crise da dívida na Eurozona e da lenta recuperação dos Estados Unidos, que pesarão na demanda de produtos chineses.

Os objetivos de crescimento do Governo costumam ser, no entanto, superados (a meta de 2011 era de 8%) e os economistas preveem para este ano um aumento de 8% a 8,5% do PIB chinês.

Wen confirmou em seu discurso diante de cerca de 3 mil delegados - muitos deles com uniformes militares ou com trajes tradicionais das minorias étnicas - a vontade de reativar as reformas econômicas para reduzir o enorme peso do aparelho estatal, mas que, segundo numerosos observadores, estão estancadas há dois ou três anos.

A China quer "romper os monopólios" e "incentivar os capitais privados a entrarem nas ferrovias, nas administrações locais, nas finanças, nas telecomunicações, no ensino e no atendimento médico", disse o chefe de Governo, na mesma linha das últimas recomendações do Banco Mundial.

O governo também fixou seu objetivo de inflação em 4% para 2012, assim como no ano passado. Em 2011, os preços subiram 5,4%.

Wen insistiu, por outro lado, na necessidade de manter a paz social no campo, palco de numerosas revoltas contra as expropriações abusivas de terras.

Comentários (0)  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados