São Paulo - O Copom anunciou hoje a manutenção em 14,25% da taxa de juros básica da economia, a Selic. É a quarta vez que a taxa fica inalterada.

A decisão se tornou uma das mais aguardados dos últimos tempos por causa da carta divulgada ontem de manhã pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, em um gesto bastante incomum na véspera de uma decisão.

Tombini disse que as novas previsões do FMI (Fundo Monetário Internacional) de recessão de 3,5% em 2016 e crescimento zero em 2017 eram “significativas” e que todas as informações disponíveis até a data seriam levadas em conta pelo Copom.

Analistas avaliaram que depois de declarações na direção de mais aperto monetário, o BC cedeu a pressões e buscava com a carta uma forma de justificar manutenção ou uma alta menor da taxa (que acabou se concretizando).

A taxa de juros reais do Brasil, que desconta dos juros nominais a inflação dos últimos 12 meses, está em 6,78% . É de longe a maior entre os 40 países de um ranking formulado pela Infinity Asset Manegement e o site MoneYou.

Em seguida vem Rússia (2,78%), China (2,61%), Indonésia (2,29%) e Filipinas (1,27%). Em último estão Dinamarca (-2,02%), Argentina (-8,87%) e Venezuela (-58,59%). A média geral é de -1,8%.

A posição do Brasil foi determinada não apenas pelos juros altos mas também pela divulgação da inflação em 2015, que segundo o IBGE ficou em 10,67%, maior taxa desde 2002.

Veja os 40 países do ranking e os juros reais em cada um (juros nominais menos a inflação dos últimos 12 meses):

  País Juros reais
1 Brasil 6,78%
2 Rússia 2,78%
3 China 2,61%
4 Indonésia 2,29%
5 Filipinas 1,27%
6 Taiwan 0,62%
7 Índia 0,57%
8 Colômbia 0,52%
9 Polônia 0,50%
10 África do Sul 0,26%
11 Malásia 0,24%
12 Cingapura 0,22%
13 Tailândia 0,10%
14 Coreia do Sul 0,00%
15 México -0,05%
16 Chile -0,19%
17 Israel -0,20%
18 Austrália -0,24%
19 Turquia -0,39%
20 Grécia -0,40%
21 Suíça -0,45%
22 Espanha -0,65%
23 Hungria -0,73%
24 França -0,74%
25 Itália -0,74%
26 Japão -0,79%
27 Portugal -0,94%
28 Alemanha -1,04%
29 Holanda -1,04%
30 Canadá -1,18%
31 República Tcheca -1,33%
32 Bélgica -1,43%
33 Reino Unido -1,47%
34 Suécia -1,48%
35 Áustria -1,57%
36 Hong Kong -1,76%
37 Estados Unidos -1,99%
38 Dinamarca -2,02%
39 Argentina -8,87%
40 Venezuela -58,59%
  Média -1,8%

Tópicos: Alexandre Tombini, Personalidades, Economistas, Banco Central, Mercado financeiro, Inflação, Juros, Política monetária, Selic, Estatísticas, Indicadores