Brasília – A Áustria e as Ilhas Cayman são os principais destinos do investimento brasileiro no setor produtivo no exterior, conforme dados divulgados hoje (25) pelo Banco Central (BC). No ano passado, o estoque do investimento brasileiro direto, incluindo a participação de capital e os empréstimos intercompanhias, chegou a US$ 266,252 bilhões, contra US$ 202,586 bilhões, em 2011.

Segundo o Banco Central, do estoque total de participação de capital (US$ 247,172 bilhões), a Áustria respondeu por 22,9%. A maior parte do dinheiro foi para o setor de indústrias extrativas (US$ 45,030 bilhões).

Nas Ilhas Cayman, com saldo de US$ 40,264 bilhões investidos, a maior parte dos recursos foi aplicada em atividades financeiras, com US$ 37,261 bilhões.

Em seguida, estão os Países Baixos, com investimentos de US$ 28,186 bilhões, aplicados principalmente em indústrias extrativas, no total de US$ 13,691 bilhões, e em atividades financeiras, total de US$ 10,962 bilhões.

De acordo com o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, ainda não é possível saber o destino final dos recursos investidos no exterior. Maciel lembrou que há envio de recursos para paraísos fiscais. Segundo ele, as Ilhas Cayman, os Países Baixos, as Ilhas Virgens, Luxemburgo e as Bahamas são “tipicamente intermediários”.

Além desses dados, o BC informou que os investimentos brasileiros em carteira (ações e títulos de renda fixa) no exterior ficaram em US$ 22,124 bilhões, em 2012, contra US$ 28,485 bilhões no ano anterior. Outros investimentos (empréstimos, créditos comerciais, moedas, depósitos, imóveis e outros) chegaram ao saldo de US$ 67,051 bilhões no passado, ante US$ 48,526 bilhões em 2011.

Os dados foram colhidos no Censo de Capitais Brasileiros no Exterior. De acordo com o BC, 23,179 mil pessoas físicas e 3,255 mil empresas fizeram a declaração de investimentos no exterior.

Tópicos: Banco Central, Mercado financeiro, Empréstimos, Investimentos de empresas