São Paulo -  Nada menos do que três em cada quatro postos de trabalho em todo o mundo são dependentes de água, indica um novo relatório da ONU divulgado hoje (22), por ocasião do Dia Mundial da Água. O estudo traz um alerta claro — a escassez e dificuldade de acesso ao recurso vital são susceptíveis de limitar o crescimento econômico nas próximas décadas.

Segundo a entidade, 2,6 bilhões de pessoas — que representam 78% dos empregos no mundo — estão empregadas em setores moderadamente ou altamente dependentes de recursos hídricos e seus serviços relacionados, como a agricultura, silvicultura, pesca, energia, manufatura, reciclagem, construção e transporte.

A água é um componente essencial das economias nacionais e locais, e é necessária para criar e manter empregos em todos os setores da economia. Por outro lado, observa a ONU, o estresse hídrico associado à baixa oferta de trabalho e às mudanças climáticas podem exacerbar os desafios de segurança nos países, causar migrações e desfazer os progressos realizados nos últimos anos na luta para erradicar a pobreza.

De acordo o relatório, em um cenário sem medidas mitigatórias (o chamado 'business as usual'), 45% do PIB mundial, 52% da população mundial e 40% da produção de grãos ficariam em risco devido à escassez de água até 2050.

© Shutterstock / ONU

Trabalhador inspeciona filtragem de água

A água como um motor de crescimento

Desde a sua extração até seu retorno ao meio ambiente, passando por vários usos, a água é um fator chave na criação de postos de trabalho, por isso, o relatório destaca uma série de estudos que mostram que investir em água é investir em novos empregos e no crescimento econômico.

Na África, por exemplo, investir em projetos de pequena escala que permitam o acesso à água potável e saneamento básico poderia gerar um retorno econômico estimado de US$ 28,4 bilhões por ano, ou quase 5% do produto interno bruto (PIB) do continente.

Longe dali, nos Estados Unidos, o relatório sublinha que cada US$ 1 milhão investido em infraestrutura de abastecimento e tratamento de água gera entre 10 e 20 novos postos de trabalho no país.

Outro estudo na América Latina estimou que investir US$ 1 bilhão na expansão do abastecimento de água e rede de saneamento resultaria diretamente na criação de 100 000 postos de trabalho.

A transição para uma economia mais verde, onde a água desempenha um papel central, também leva a mais empregos. A Agência Internacional de Energias Renováveis ​​estima que 7,7 milhões de pessoas foram empregadas em energias renováveis só ​​em 2014.

O relatório conclui que tratar da relação entre os recursos hídricos e emprego, sobretudo por meio de políticas e investimentos coordenados, é um pré-requisito para o desenvolvimento sustentável, tanto de países desenvolvidos quanto dos que estão em desenvolvimento. 

Tópicos: Clima, Empregos, Meio ambiente, Água