Leilão de subvenção ao milho tem disputa em regiões de MT

Chamado Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural (Pepro) é oferecido pelo governo para compensar valores de mercado abaixo do preço mínimo oficial

São Paulo – O primeiro leilão de prêmios de subvenção aos produtores de milho teve fortes disputas nas principais regiões agrícolas de Mato Grosso nesta quarta-feira, informou a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O chamado Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural (Pepro) é oferecido pelo governo para compensar valores de mercado abaixo do preço mínimo oficial.

Com os leilões de Pepro, o fluxo de negócios de milho deverá aumentar, propiciando que o produto chegue às regiões portuárias, o que colabora para um aumento da exportação do país no segundo semestre, segundo analistas. Nas regiões norte, centro-oeste, centro-sul e sudeste de Mato Grosso, que concentram boa parte das lavouras de milho do Estado, e em Goiás, foram arrematados todos os lotes disponíveis, com deságios variando entre 44 por cento e 10 por cento.

Os descontos aceitos pelos produtores em relação ao prêmio inicialmente oferecido pela Conab indicam forte competição no leilão.

Apenas no nordeste de Mato Grosso e em Mato Grosso do Sul não foram arrematados todos os lotes disponíveis.

Diversas entidades representativas de produtores haviam pedido nas últimas semanas ao Ministério da Agricultura a realização de novos leilões de Pepro, num momento em que os preços do grão estão perto do menor patamar em 4 anos no mercado doméstico.

 Mato Grosso é o maior produtor de milho do país, e está com a colheita da safra de inverno praticamente encerrada.

Devido principalmente às distâncias e às deficiências na logística de transporte, agricultores do Estado enfrentam dificuldades de escoar o milho a preços que cubram os custos de produção.

A Conab ofereceu nesta quarta-feira prêmios para 1,05 milhão de toneladas, dos quais 85,5 por cento foram arrematados.

O leilão movimentou 29,12 milhões de reais.

O governo federal autorizou um total de 500 milhões de reais para Pepros de milho este ano no país.