Inflação sobe a 0,54% em setembro e atinge 9,49% em 12 meses

Inflação de setembro veio duas vezes mais alta do que a de agosto, e acumulado de 2015 é o maior para período desde 2003

São Paulo – A inflação no Brasil, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), foi de 0,54% em setembro, informou hoje o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com isso, o acumulado nos últimos 12 meses chegou a 9,49%. A meta do governo é de 4,5%, com tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

O acumulado entre janeiro e setembro é de 7,64%, acima do registrado em 2014 (4,61%) e o maior para o período desde 2003 (8,05%).

A taxa de setembro é mais que o dobro da de agosto (0,22%) e próxima de setembro do ano passado (0,57%). Dos 9 grupos pesquisados, 4 tiveram alta e 5 tiveram queda em relação ao mês anterior.

Grupos

O botijão de gás tem peso de 1,07% no IPCA e representou individualmente a maior contribuição para a alta de setembro.

Sozinho, o reajuste de 12,98% (menor do que os 15% autorizados) teve impacto de 0,14 ponto percentual e respondeu por cerca de um quarto da inflação no mês.

Habitação foi de 0,29% em agosto para 1,30% em setembro, maior resultado entre os grupos, também com pressão dos itens água e esgoto (1,48%), aluguel residencial (0,59%), condomínio (0,45%) e energia elétrica (0,28%).

Dois grupos importantes foram de quedas em agosto para altas em setembro. Alimentação e Bebidas, o de maior peso, foi de -0,27% para 0,71% com impacto de refeição fora de domicílio (0,77%) e itens como batata inglesa (7,26%) e sorvete (2,62%).

Os Transportes passaram de -0,27% em agosto para 0,71% em setembro devido a uma alta de 23,13% nas passagens aéreas e itens como seguro voluntário (alta de 2,04%).

No Vestuário, chama a atenção a alta dos calçados de 0,78%. Na Saúde e Cuidados Pessoais, o plano de saúde subiu 1,06% no mês.

O maior índice regional foi o de Brasília (1,25%), com impacto de uma alta de 11,70% nas contas de energia elétrica. O menor foi em Campo Grande (-0,28%), onde o mesmo item teve queda de 6,80 após redução de PIS/COFINS.

Grupo Variação (%) Agosto Variação (%) Setembro
Índice Geral 0,22% 0,54%
Alimentação e Bebidas -0,01% 0,24%
Habitação 0,29% 1,30%
Artigos de Residência 0,37% 0,19%
Vestuário 0,20% 0,50%
Transportes -0,27% 0,71%
Saúde e cuidados pessoais 0,62% 0,55%
Despesas pessoais 0,75% 0,33%
Educação 0,82% 0,25%
Comunicação 0,14% 0,01%

.

Grupo Impacto Agosto (p.p.) Impacto Setembro (p.p.)
Índice Geral 0,22 0,54
Alimentação e Bebidas 0 0,06
Habitação 0,04 0,2
Artigos de Residência 0,02 0,01
Vestuário 0,01 0,03
Transportes -0,05 0,13
Saúde e cuidados pessoais 0,07 0,06
Despesas pessoais 0,08 0,04
Educação 0,04 0,01
Comunicação 0,01 0