Índice de Preços ao Produtor fecha o ano de 2012 em 7,16%

Nos 12 meses do ano, o índice chegou a 7,16%, superior ao acumulado nos 12 meses anteriores, que chegou a 6,84%

Rio de Janeiro – O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que mede a inflação dos produtos na saída das fábricas, sem impostos e fretes, ficou em 0,30% em dezembro em relação ao mês anterior. De novembro para outubro, o índice havia variado 0,27%. Nos 12 meses do ano, o índice chegou a 7,16%, superior ao acumulado nos 12 meses anteriores, que chegou a 6,84%.

Das 23 atividades pesquisadas, 16 apresentaram alta de preços em dezembro, com destaque para perfumaria, sabões e produtos de limpeza (1,85%), fumo (1,49%) e papel e celulose (1,22%).

As maiores influências para o resultado de dezembro vieram de alimentos (0,07 ponto percentual), outros produtos químicos (0,04 ponto percentual), metalurgia (0,04 ponto percentual) e papel e celulose (0,04 ponto percentual).

Já no acumulado do ano passado, as maiores variações percentuais vieram das atividades fumo (18,52%), alimentos (14,57%), papel e celulose (12,57%) e bebidas (12,00%). As principais influências nos 12 meses de 20012 foram: alimentos (2,75 pontos percentuais), outros produtos químicos (1,08 ponto percentual.), refino de petróleo e produtos de álcool (0,71 ponto percentual) e papel e celulose (0,40 ponto percentual).

Onze setores tiveram maior influência nos resultados do IPP entre 2010 e 2012. Os destaques são os setores de alimentos, refino de petróleo e produtos de álcool e outros químicos, com alto peso no cálculo do IPP. Em dezembro passado, tiveram contribuição de 42,22%.