Incertezas dificultam queda mais rápida dos juros, diz Ilan

Presidente do Banco Central também afirmou que a incerteza se mantendo por "tempo prolongado" pode ter impacto negativo sobre a atividade econômica

São Paulo – O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, reafirmou nesta segunda-feira que o recente aumento da incerteza por conta do futuro das reformas e de ajustes necessários na economia “dificulta a queda mais célere das estimativas da taxa de juros estrutural e as torna mais incertas”, mas ponderou que consequências desse cenário para o avanço de preços na economia podem se anular.

Durante evento em São Paulo, segundo apresentação publicada no site do BC, Ilan disse ainda que a incerteza se mantendo por “tempo prolongado” pode ter impacto negativo sobre a atividade econômica e que “de forma geral, as projeções condicionais do Copom hoje envolvem maior grau de incerteza”.

“O cenário básico prescreve a continuidade do ciclo de distensão da política monetária, já considerando os atuais riscos em torno do cenário e as estimativas de extensão do ciclo”, reafirmou ele.

O BC reduziu no final do mês passado a Selic em 1 ponto percentual, a 10,25 por cento ao ano, mas deixou claro que vai desacelerar o passo em meio à intensa crise política que envolve o governo do presidente Michel Temer.

Ilan repetiu que, de um lado, a manutenção por tempo prolongado de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia podem ter impacto negativo sobre a atividade econômica e, portanto, desinflacionário.

De outro, ressaltou que o impacto da incerteza sobre a formação de preços e sobre as estimativas da taxa de juros estrutural pode ter impacto oposto. E adicionou mensagem nova sobre a manutenção de um panorama equivalente ao que vigorava antes da crise política.

“Existe também a possibilidade que os efeitos acima se anulem e a trajetória prospectiva seja equivalente a trajetória vigente anteriormente”, disse.

De acordo com Ilan, o cenário prescreve a continuidade do ciclo de afrouxamento da Selic e repetiu que redução moderada do ritmo de flexibilização deve se mostrar adequado em sua próxima reunião, em julho.

“Naturalmente, o ritmo de flexibilização continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação”, afirmou.

Antes do discurso, o site do BC publicou uma entrevista interna feita com Ilan, na qual ele afirmou que “o caminho da desinflação e da redução de juros está dado”. Ele repetiu tambéma importância do endereçamento das questões fiscais e de produtividade, com aprovação das reformas trabalhista e da previdência.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Até hoje não consigo entender porque nossos juros são sempre os mais altos do mundo. Isso implica que, levando em consideração as colocações do presidente do BC, nossa economia é, também, a mais desorganizada do planeta.