Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,67 -0,04%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,95% 63.257 pts
Pontos 63.257
Variação 0,95%
Maior Alta 5,04% SMLE3
Maior Baixa -3,99% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 17:20 FONTE

Governo depende de receita extraordinária para meta 2017

A Fazenda já reduziu a estimativa de crescimento para este ano, mas a expectativa é de que uma nova revisão seja feita no primeiro trimestre

Brasília – O ano mal começou e o governo já admite a necessidade de receitas extras para entregar um déficit primário de R$ 139 bilhões.

Com o crescimento econômico abaixo do esperado, as receitas dos programas de repatriação e da regularização de passivos tributários, que ainda não foram aprovados pelo Congresso, passaram a ser essenciais para o cumprimento da meta fiscal de 2017, segundo duas fontes da equipe econômica a par das discussões.

A Fazenda já reduziu a estimativa de crescimento para este ano, mas a expectativa é de que uma nova revisão seja feita no primeiro trimestre, já que as projeções de mercado esperam um crescimento do PIB de 0,5% e o governo ainda trabalha com 1%.

O Banco Central trabalha com uma alta do PIB de 0,8%. Segundo Meirelles, o governo tem feito revisões de “tempos em tempos”.

O discurso da Fazenda é de que as estimativas enviadas ao Congresso são conservadoras e contam apenas com receitas que eles consideram garantidas.

Na prática, o governo acredita que arrecadará mais do que o estimado no orçamento com a venda de ações do fundo soberano e com as concessões previstas para 2017.

Foi nesse sentido que Meirelles convidou o economista João Manoel Pinho de Mello para compor sua equipe, melhorar as relações com o BNDES e aprimorar o programa de concessões do governo.

Para mitigar as reações de mercado e com a esperança de que o programa de repatriação de recursos de brasileiros no exterior seja aprovado o quanto antes, a Fazenda não anunciou a queda de receita esperada diante do crescimento mais lento do que o previsto.

Só na primeira etapa, em 2016, o programa trouxe R$ 46,8 bilhões aos cofres do Tesouro.

Para o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, não há como fechar a conta sem receitas extras.

Pelos cálculos da Gradual, o governo precisa de R$ 50 bilhões em receitas extraordinárias.“Não tem como a arrecadação crescer e essa conta não fecha”, disse.

Quando anunciou o novo programa de regularização tributária, Meirelles disse que a iniciativa renderia cerca de R$ 10 bilhões, ressaltando, mais uma vez, que a estimativa era modesta.

“Possivelmente teremos uma surpresa positiva, mas eu prefiro ser conservador”, disse em 15 de dezembro.

Essa não é a primeira vez que o governo conta com receitas extras para garantir o cumprimento da meta fiscal. Em anos anteriores, reedições do Refis e vendas de ações do fundo soberano foram cruciais para fechar as contas.

A diferença é que, em 2017, o governo depende desses recursos antes mesmo do início do exercício fiscal.