Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,29%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,58% 63.715 pts
Pontos 63.715
Variação -0,58%
Maior Alta 3,61% FIBR3
Maior Baixa -3,10% TIMP3
Última atualização 29/05/2017 - 15:40 FONTE

FMI vê sinais de fim da recessão e pede maior ajuste fiscal

Em seu relatório de previsão anual da economia brasileira, o Fundo manteve sem mudanças suas previsões de crescimento negativo de 3,3% para 2016

Washington – O Fundo Monetário Internacional (FMI) indicou nesta quinta-feira que o Brasil registra “sinais provisórios” de que “a recessão está chegando a seu fim”, mas insistiu que o país necessita “uma maior e concentrada” consolidação fiscal se quiser manter a sustentabilidade das contas públicas.

Em seu relatório de revisão anual da economia brasileira, conhecida como “artigo IV”, o Fundo manteve sem mudanças suas previsões de crescimento negativo de 3,3% para 2016 e uma volta ao terreno positivo de 0,5% em 2017.

“Esta projeção está baseada na presunção de que seja aprovado no Congresso o teto em gasto fiscal e a reforma da previdência social em um período razoável”, afirmou o documento.

O FMI aplaudiu o “compromisso” do novo governo do presidente Michel Temer com uma “muito necessitada agenda de reformas estruturais e fiscais”, mas ressaltou que, se estas “são diluídas ou detidas no Congresso, o impulso à confiança será de curta duração, e a recessão pode continuar, acrescentando assim tensões sobre as receitas e as contas na economia”.

Para a instituição financeira internacional, são especialmente positivas as reformas “em apoio dos programas de privatizações, assim como o fortalecimento do marco do governo das empresas públicas”.

No entanto, salientou que uma consolidação fiscal baseada só no controle do gasto público não é suficiente “já que levaria anos para estabilizar a dívida pública”.

Por isso, insistiu na necessidade de “um maior e concentrado ajuste” com um possível objetivo de alcançar um déficit primário de 3,5% do PIB nos próximos cinco anos.

O FMI realizará na próxima semana sua assembleia anual, que reunirá em Washington os principais líderes econômicos globais e apresentará sua atualização das previsões.