FMI pede preservação de instituições democráticas na Turquia

A tentativa de golpe militar na Turquia sacudiu os mercados financeiros, inquietos diante dos riscos de repercussões para a economia e o transporte do petróleo

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu nesta terça-feira que a Turquia preserve suas instituições democráticas, consideradas pilares do progresso econômico no país, poucos dias depois da tentativa de golpe que provocou “certa volatilidade” financeira.

“É muito importante preservar (as instituições democráticas) na Turquia. Representam um dos pilares do progresso econômico que o país conseguiu nos anos recentes”, afirmou o economista-chefe do FMI, Maurice Obstfeld.

“Não queremos que esse progresso seja colocado em risco”, acrescentou, durante a apresentação das previsões do FMI para o crescimento econômico global.

A tentativa de golpe militar na Turquia sacudiu os mercados financeiros, inquietos diante dos riscos de repercussões para a economia e o transporte do petróleo.

“Vemos uma certa volatilidade nos mercados financeiros”, disse Obstfeld, acrescentando que se espera um “retorno à normalidade” diante da reação das autoridades econômicas turcas.

Em resposta à tentativa de golpe, o Banco Central turco se comprometeu a adotar “todas as medidas” necessárias, de forma a garantir a estabilidade financeira.

“As autoridades turcas, em particular o Banco Central, intervieram de forma muito eficaz para garantir a liquidez”, acrescentou.

Na véspera, a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, havia garantido em uma entrevista que uma “perturbação enorme” foi evitada com a intervenção.