Fenabrave prevê crescimento de 4,5% nas vendas carros em 2012

Federação do setor acredita que crescimento deve acelerar no segundo semestre do ano

São Paulo – A Federação Nacional da Distribuição de Veículos de Veículos Automotores (Fenabrave) estima que a venda de automóveis e veículos comerciais leves vá apresentar crescimento de 4,5% em 2012. Ao falar das perspectivas do setor para este ano, hoje, em São Paulo, o presidente da entidade, Flávio Antonio Meneghetti, disse que o ritmo de crescimento, no segundo semestre de 2012, impulsionado pela queda da inadimplência e pelo aumento do salário minímo, será melhor que o de 2011.

“A Fenabrave espera que o mercado, como um todo, cresça 4,5%. É um número significativo mesmo comparado com os anos anteriores. Ficaria feliz se pudesse crescer linearmente a 4,5% em qualquer tipo de negócio”, disse o novo presidente da Fenabrave, que assumiu o cargo no final do ano passado.

Em 2011, a venda de automóveis e veículos comerciais leves cresceu 2,9% em comparação a 2010. O número foi menor do que o projetado inicialmente pela Fenabrave, que previa crescimento de 4,2%. Segundo Meneghetti, isso foi resultado das medidas tomadas pelo governo no início do ano passado.

“O governo tomou medidas restritivas no início do ano de 2011 em função do aumento da inflação, subindo a taxa de juros e o IOC [Imposto sobre Operações de Crédito]. E os problemas da Europa também acabaram afetando o Brasil. O PIB [Produto Interno Bruto], que se projetava em torno de 4%, acabou virando 2,8%. Isso tudo afetou a economia e a renda, aumentou a inadimplência e os bancos ficaram mais seletivos no crédito e isso impactou no crescimento”, observou o presidente da Fenabrave.

Considerando também a venda de caminhões, ônibus e motos, a Fenabrave projeta crescimento de 5,76% para 2012, com 5,89 milhões de unidades vendidas. Em 2011, as vendas de todo o setor, desconsiderando implementos rodoviários e outros, somaram 5,57 milhões de unidades, o que representou crescimento de 4,79% em comparação a 2010.

Na apresentação dos dados, também esteve a economista Tereza Fernandez, sócia-diretora da MB Associados, que comentou sobre a previsão de crescimento do PIB brasileiro, feita pela sua empresa. Segundo ela, a estimativa é que o PIB vá crescer 3,5% em 2012, índice menor do que o estimado pelo governo, que prevê crescimento entre 4% e 5%). Para a MB Associados, a taxa básica de juros (Selic) ficará em torno de 9% e a inflação em cerca de 5,5%. Esse cenário, segundo ela, é baseado na expectativa de que a Europa consiga avançar nas soluções para a crise. Caso a Europa não apresente avanços, a estimativa é a de que o PIB brasileiro seja negativo em 2012.