EUA abrem vagas de trabalho acima do esperado e salários aumentam

Dados devem abrir o caminho para o Federal Reserve anunciar no próximo mês um plano para começar a encolher seu enorme portfólio de títulos

Washington – Os empregadores dos Estados Unidos contrataram mais trabalhadores do que o esperado em julho e aumentaram seus salários, sinais de aperto no mercado de trabalho que provavelmente abrirão o caminho para o Federal Reserve anunciar no próximo mês um plano para começar a encolher seu enorme portfólio de títulos.

O Departamento de Trabalho disse que as folhas de pagamento não agrícolas aumentaram em 209 mil empregos no mês passado, em meio a amplos ganhos. A criação de vagas de junho foi revisada para até 231 mil, ante os 222 mil relatados anteriormente.

Os pagamentos médios por hora aumentaram em nove centavos, ou 0,3 por cento, em julho, após terem subido 0,2 por cento em junho. Esse foi o maior aumento em cinco meses. Os salários cresceram 2,5% nos 12 meses até julho, igualando o ganho de junho.

Os pagamentos médios por hora têm caído desde que subiram 2,8% em fevereiro. A falta de crescimento salarial forte é surpreendente, uma vez que a economia está perto do pleno emprego, mas o aumento mensal de julho nos ganhos poderia oferecer alguma garantia aos funcionários do Fed de que a inflação aumentará gradualmente para sua meta de 2 por cento.

Os economistas esperam que o Fed anuncie um plano para começar a reduzir sua carteira 4,5 trilhões de dólares emtítulos do Tesouro e títulos garantidos por hipotecas em setembro.

O crescimento salarial lento e a inflação benigna que o acompanha, no entanto, sugerem que o banco central dos Estados Unidos atrasará o aumento das taxas de juros novamente até dezembro. O Fed aumentou as taxas duas vezes este ano, e sua taxa de crédito overnight de referência agora está em uma faixa de 1 por cento a 1,25 por cento.

Os economistas consultados pela Reuters previram que as folhas de pagamento aumentariam em 183 mil empregos em julho e os salários subiriam 0,3 por cento.

O crescimento salarial é crucial para sustentar a expansão econômica após o aumento da produção em uma taxa anual de 2,6 por cento no segundo trimestre, uma aceleração ante o ritmo lento de 1,2 por cento entre janeiro e março.