Dólar R$ 3,28 0,59%
Euro R$ 3,67 0,11%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -1,54% 61.673 pts
Pontos 61.673
Variação -1,54%
Maior Alta 7,00% EMBR3
Maior Baixa -31,34% JBSS3
Última atualização 22/05/2017 - 17:21 FONTE

Em recuperação, Espanha enfrenta escassez de “jamón” no Natal

Queda na produção porcos salgados e pendurados em adegas gerou uma escassez de presunto e elevou os preços da iguaria

O Grinch roubou o presunto natalino da Espanha. Embora os espanhóis se sintam mais ricos neste Natal, os preços mais altos do “presunto ibérico” lembrarão aos consumidores, de Madri a Salamanca, que a época de dificuldades não foi há muito tempo.

Com a queda da demanda de consumo durante a crise econômica de 2012, também caiu o número de porcos salgados e pendurados em adegas por três anos ou mais para produzir o presunto ibérico mais fino. Isso gerou uma escassez de presunto e elevou os preços da iguaria.

“Os presuntos que estão sendo consumidos agora vêm de porcos que podem ter nascido de 2011 a 2012, período que foi muito difícil economicamente”, disse Albert Marti, CEO da Cestas Marti, companhia especializada nas cestas de Natal — que muitas vezes incluem presunto — entregues pelas empresas a seus funcionários e clientes. “Atualmente há certo estresse em termos de oferta de presunto.”

A Espanha está se recuperando fortemente do colapso financeiro que forçou o país a pedir 41 bilhões de euros (US$ 42,6 bilhões) em ajuda europeia para respaldar seu setor bancário em 2012.

Com a economia a caminho de crescer 3,2 por cento neste ano, as famílias espanholas gastarão uma média de 682 euros em compras e presentes de Natal, mais do que a média europeia de 517 euros, segundo estudo da empresa de contabilidade Deloitte.

Presunto e camarão

Um estudo da Kantar mostra que os espanhóis gostam de gastar mais de 20 por cento de seu orçamento natalino em itens alimentícios tradicionais, como presunto ibérico e camarão.

O melhor ibérico de todos é um presunto curado produzido com porcos pretos ibéricos que vagueiam por florestas de carvalhos ao longo da fronteira da Espanha com Portugal e se alimentam de bolotas de carvalho.

“Após uma crise sem precedentes em todos os níveis, que foi especialmente dura para o presunto ibérico, hoje podemos dizer que estamos em processo de recuperação e estabilização do setor”, disse Francisco Javier Morato, presidente do conselho da Associação Interprofissional do Porco Ibérico, em comunicado enviado por e-mail. “A perspectiva não poderia ser melhor.”

Há quatro anos, o futuro não parecia nada bom para os produtores de presunto espanhóis. Eles reagiram à crise de 2012 reduzindo a produção quando a demanda caiu e o financiamento bancário sumiu, disse Mario Redondo, CEO da Redondo Iglesias, empresa com sede em Valência que produz ibérico em sua fábrica na província de Salamanca, coração da indústria do presunto fino na Espanha.

A falta de presunto na Espanha ainda continuará por algum tempo, disse ele. Apesar de a escassez deste ano ter atingido os presuntos ibéricos, o aperto poderá ser sentido no ano que vem na oferta de presunto de porcos que se alimentam exclusivamente de bolotas de carvalho, cujo processo de cura pode aumentar a espera para que cheguem às mesas para a ceia, disse Redondo.

“Nós poderíamos, na verdade, ter vendido mais presunto neste ano se houvesse uma quantidade maior do produto disponível”, disse Redondo.