Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,66 -0,02%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,76% 63.766 pts
Pontos 63.766
Variação 1,76%
Maior Alta 6,68% SMLE3
Maior Baixa -3,53% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 14:19 FONTE

Economia da América Latina fechará 2016 com contração de 1,1%

Dos dez países sul-americanos, quatro terminam o ano no vermelho: Venezuela (9,7%), Brasil (3,6%), Argentina (2%) e Equador (2%)

A economia da América Latina encerra 2016 com uma contração de 1,1%, com a América do Sul duramente afetada, em especial pela queda dos preços das matérias-primas – informou a Cepal nesta quarta-feira (14), acrescentando que, para 2017, a previsão é de um crescimento de 1,3%.

“A região finalizará 2016 com uma contração média de 1,1%, em que a América do Sul será a sub-região mais afetada, com uma queda de 2,4%, enquanto o Caribe se contrairá 1,7%, e a América Central terá um crescimento positivo de 3,6%”, detalha o relatório da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), apresentado em sua sede em Santiago.

Dos dez países sul-americanos, quatro terminam o ano no vermelho: Venezuela (9,7%), Brasil (3,6%), Argentina (2%) e Equador (2%), afetados por uma forte queda do investimento e do consumo, indicou a Cepal.

Já Bolívia e Paraguai vão liderar o crescimento sul-americano com 4%, seguidos por Peru (3,9%), Colômbia (2%), Chile (1,6%) e Uruguai (0,6%).

Em contrapartida, a América Central vai registrar um crescimento de 3,6%, menor do que os 4,7% de 2015. O México crescerá 2%, graças à exportação de hidrocarbonetos.

A República Dominicana vai liderar as economias da América Central com 6,4%, seguida por Panamá (5,2%), Nicarágua (4,8%) e Costa Rica (4,1%).

A Cepal estima que a América Latina crescerá 1,3% em 2017, deixando para trás dois anos de contração, graças a uma “melhora nos preços das matérias-primas”.