Governo registra pior déficit para novembro desde 1997

O resultado de R$ 38 milhões em novembro veio pior do que as expectativas do mercado financeiro

Brasília – Com a atividade econômica baixa e recuo no pagamento de tributos, o Governo Central registrou um déficit primário de R$ 38,356 bilhões em novembro, o pior desempenho para o mês em toda a série histórica, que tem início em 1997. O resultado reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central.

O resultado de novembro veio pior do que as expectativas do mercado financeiro, cuja mediana apontava um déficit de R$ 35,600 bilhões, de acordo com levantamento do Projeções Broadcast junto a 18 instituições financeiras. O dado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas, que variava de um déficit de R$ 12,400 bilhões a R$ 55,000 bilhões.

Entre janeiro e novembro deste ano, o resultado primário foi de déficit de R$ 94,158 bilhões, também o pior resultado da série. Em igual período do ano passado, esse mesmo resultado era negativo em R$ 54,107 bilhões.

Em 12 meses, o Governo Central apresenta um déficit de R$ 100,4 bilhões. O valor desconsidera o pagamento de R$ 55,6 bilhões em passivos, realizado em dezembro de 2015 e que não irá se repetir.

A meta fiscal para este ano é um déficit de R$ 167,7 bilhões nas contas do Governo Central – isso porque a União já anunciou que vai compensar a frustração do resultado dos Estados e municípios. No agregado, a meta para o setor público é negativa em R$ 163,9 bilhões.

As contas do Tesouro Nacionalincluindo o Banco Central – registraram um déficit primário de R$ 19,390 bilhões em novembro. No ano, porém, o superávit primário acumulado nas contas do Tesouro Nacional (com BC) é de R$ 48,704 bilhões.

No mês passado, o resultado do INSS foi um déficit de R$ 18,966 bilhões. Já no acumulado do ano até novembro, o rombo da Previdência Social chega a R$ 142,862 bilhões.

As contas apenas do Banco Central tiveram déficit de R$ 222,9 milhões em novembro e de R$ 895,5 milhões no acumulado do ano até o mês passado.

Receitas

O resultado de novembro representa alta real de 1,9% nas receitas em relação a igual mês do ano passado. Já as despesas tiveram alta real de 9,7%. No ano até novembro, as receitas do governo central recuaram 2,7% ante igual período de 2015, enquanto as despesas aumentaram 1,0% na mesma base de comparação.

Investimentos

Os investimentos do governo federal caíram a R$ 47,042 bilhões de janeiro a novembro de 2016, informou o Tesouro Nacional. Desse total, R$ 28,369 bilhões são restos a pagar, ou seja, despesas de anos anteriores que foram transferidas para 2016. Em igual período do ano passado, os investimentos totais haviam somado R$ 49,521 bilhões.

Já os investimentos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) somaram R$ 2,976 bilhões em novembro, alta real de 23,2% ante igual mês do ano passado. Já nos onze meses do ano, as despesas com o PAC somaram R$ 31,817 bilhões, recuo de 16,2% ante igual período de 2015, já descontada a inflação.

Dividendos

O caixa do governo federal recebeu R$ 183,3 milhões em dividendos pagos pelas empresas estatais em novembro, cifra 841,9% maior do que em igual mês do ano passado, já descontada a inflação. No acumulado do ano, entretanto, as receitas com dividendos somaram R$ 1,765 bilhão, queda real de 73,3% em relação a igual período do ano passado.

Já as receitas com concessões totalizaram R$ 277,3 milhões em novembro, alta real de 270,8% ante novembro de 2015. Nos onze meses de 2016, essa receita somou R$ 21,637 bilhões, alta real de 252,2% ante igual período do ano passado.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Rogerio Gaeta

    Chegamos ao fundo do poço e agora descobriram um alçapão.

  2. ViP Berbigao

    Esses aloprados do governo e congresso nacional ainda sacaneiam com o órgão arrecadador federal.
    É de uma irresponsabilidade sem tamanho. Mas quem pode responsabilizar o Congresso?
    Vivemos na República com flagrante excesso de poder Parlamentar. E usado prioritariamente para interesses nada republicados.