Crises geopolíticas no Leste Europeu afetam zona do euro

Riscos geopolíticos e desdobramentos em economias emergentes podem afetar negativamente economia por meio dos efeitos no preço, diz Banco Central Europeu

São Paulo – O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, disse nesta quinta-feira que as questões geopolíticas no Leste Europeu e em outros locais ao redor do mundo continuam a apresentar riscos para a perspectiva econômica da zona do euro.

Os comentários foram feitos após o banco manter as taxas de juros inalteradas ao final da reunião de política monetária.

“Os riscos em torno das perspectivas econômicas para a zona do euro permanecem do lado descendente. Em particular, os riscos geopolíticos, assim como desdobramentos em economias de mercados emergentes e de mercados financeiros globais, podem ter o potencial de afetar negativamente as condições econômicas, inclusive por meio de efeitos sobre preços de energia e demanda global por produtos da zona do euro. Outro risco negativo relaciona-se com as reformas estruturais insuficientes em países do bloco, assim como demanda doméstica mais fraca do que o esperado”, afirmou.

Draghi disse que “monitorará de perto” as possíveis repercussões de elevados riscos geopolíticos como parte de sua avaliação geral de política. “É muito difícil avaliar qual será o impacto quando as sanções, por um lado, e as retaliações, por outro, forem absorvidas”, afirmou o dirigente.

“Nossos riscos para a recuperação estão no lado negativo” e, certamente, “um desses riscos seria de elementos geopolíticos”, ressaltou. Ele acrescentou que os riscos geopolíticos aumentaram em todo o mundo.

Com informações da Dow Jones