CNI: Alta dos juros não afeta confiança no emprego

Indicador da entidade mostra que o medo de perder o trabalho está no menor patamar desde 1996

São Paulo – O índice de medo do desemprego calculado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) desde 1996 está em seu menor patamar histórico. Para Marcelo Azevedo, analista de políticas e indústria da entidade, a confiança dos trabalhadores na estabilidade de seu emprego vai se manter elevada, alheia à influência de variáveis como o aperto monetário.

Em março, o indicador trimestral registrava 82 pontos e, em junho, passou a 82,3 pontos. “O diferencial, que trouxe o índice para este nível é a força da economia. A estabilidade e a geração de emprego passam mais confiança aos trabalhadores”, diz o especialista.

A alta dos juros seria uma das candidatas a aumentar o medo do desemprego, porque uma de suas possíveis consequências é a redução dos investimentos das empresas. Isto pode ter como resultado uma perda de ritmo na geração de empregos.

Entretanto, para o analista da CNI, a relação entre juros e emprego faz parte de um processo longo demais para afetar a percepção dos trabalhadores. Ele explica que o trabalhador vai olhar para outros fatores que, atualmente, são mais relevantes.

“Mesmo com o ciclo de aumento, as expectativas são bastante otimistas. Fala-se em um crescimento do país acima de 6% em 2010. Isto vai, no fim das contas, resultar em mais trabalho, e manter a expectativa no nível atual”, afirma.