China saúda vitória de Azevêdo na OMC

O governo chinês considera a nomeação do brasileiro um triunfo para as economias emergentes

Pequim – O governo da China elogiou nesta quinta-feira a nomeação do diplomata brasileiro Roberto Azevêdo como diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), que considera um triunfo para as economias emergentes.

“A designação de Azevêdo é algo que merece ser celebrado por ser a primeira vez que um candidato dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) alcança o cargo máximo na OMC”, afirma uma nota da agência estatal Xinhua.

“A nomeação demonstra mais uma vez o fato amplamente reconhecido de que as economias emergentes estão desempenhando um papel cada vez mais importante nas atividades econômicas globais”, completa.

Azevêdo, de 55 anos, vai liderar o organismo de 159 membros que tenta recuperar-se do fracasso em 2008 da rodada Doha de negociações comerciais globais. As normas atualmente vigentes remontam a 1994.

A agência chinesa destaca que o brasileiro enfrentará uma tarefa difícil ante o protecionismo generalizado para forjar consensos.

Azevêdo, representante do Brasil na OMC desde 2008, derrotou o mexicano Herminio Blanco, de 62 anos, que dirigiu as negociações do México no acordo comercial da América do Norte (NAFTA), assinado em 1994.