Campinas tem retração de lançamentos imobiliários

Secovi-SP diz que está trabalhando para reverter o efeito da crise política local no mercado de Campinas

São Paulo – De acordo com o vice-presidente do Interior do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), “a recente crise política (em Campinas) tem afetado a fluência do mercado imobiliário local, e reduzido o número de lançamentos imobiliários deste ano (2011), (porém, o sindicato) está atuante na busca por soluções rápidas que revertam tal situação”.

Amary relembra que a Região Metropolitana de Campinas é detentora de vários recordes, inclusive mundiais, e representa 3,64% do Produto Interno Bruto Nacional, e que isoladamente, Campinas é responsável por 2% desse total. “Por esta razão, o mercado imobiliário tem o direito e o dever de corresponder a toda essa evolução, sem travas e amarras”, argumenta o sindicalista.

Considerando o período entre maio de 2010 e junho de 2011, os lançamentos de imóveis verticais na cidade de Campinas totalizaram 5.627 unidades, das quais 246 unidades com um dormitório e participação de 4,4% sobre o total ofertado; 4.055 com dois dormitórios, que representaram fatia de 72,1%; 1.284 com três dormitórios (22,8%) e 42 unidades com quatro dormitórios (0,7%). No período, foram lançadas também 228 unidades residenciais horizontais, distribuídas em 54 unidades com um dormitório; 100 unidades com três dormitórios; e 74 unidades com quatro dormitórios.

Tais números fazem parte do Estudo do Mercado Imobiliário de Campinas, recentemente divulgado pelo Secovi-SP, que também aponta: no período de março de 2007 a junho de 2011 foram lançados, na cidade e região, 21.945 imóveis residenciais verticais e horizontais, com participação, respectivamente, de 94,83% (20.810) e de 5,17% (1.135) no total da oferta. O estudo mostra ainda que o mercado regional registrou ótima liquidez para os imóveis com um, dois e três dormitórios.