Brasil tem primeira deflação em 11 anos, diz IBGE

Queda nas contas de energia foi uma das grandes responsáveis pela primeira deflação mensal no país desde junho de 2006

São Paulo – A inflação no Brasil, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), foi de -0,23% em junho, informou hoje o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Foi a primeira deflação mensal registrada no país desde junho de 2006, quando ficou em -0,21%, além de ser a taxa mais baixa para o mês desde o início do Plano Real.

Também representa uma queda forte em relação a maio, quando ficou em 0,31%, e em relação ao mesmo mês do ano passado, quando ficou em 0,35%.

Com isso, o acumulado em 12 meses está em 3%, abaixo da meta do governo, que é de 4,5% com 1,5 ponto percentual de tolerância para cima ou para baixo.

Contexto

Uma deflação em junho já estava sendo apontada por dados preliminares e por estimativas do mercado.

Em entrevista na noite de ontem (06), o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, reconheceu a possibilidade, mas pontou que este movimento “provavelmente vai ficar só no mês passado”.

A próxima reunião do Copom para decidir a taxa de juros será nos dias 25 e 26. O BC havia sinalizado uma redução no ritmo de corte de juros diante da crise política, mas a queda consistente da inflação enfraquece essa aposta.

A queda do consumo, da renda e do emprego também estão entre os fatores que contribuem para queda dos preços.

Grupos

4 dos 9 grupos pesquisados pelo IBGE tiveram queda de preços no mês. Artigos de Residência foram de -0,23% em maio para -0,07% em junho.

Alimentação e Bebidas, que tem peso acima de um quarto no total da cesta que compõe o índice, aprofundou a queda de -0,35% em maio para -0,50% em junho.

O mesmo aconteceu em Transportes, que foi de -0,42 em maio para -0,52% em junho puxado pelos combustíveis, que caíram 2,84% e tiveram impacto negativo de -0,14 ponto percentual na taxa mensal.

Duas reduções de preços autorizadas pela Petrobras deixaram o litro de gasolina 2,65% mais barato, influenciado também por uma queda de 4,66% no etanol, que faz parte da sua composição.

Habitação

Habitação teve a maior virada: de 2,14% em maio para -0,77% em junho, resultado do impacto negativo das contas de energia elétrica.

Esse item ficou mais barato em 5,52% e foi responsável, sozinho, por um impacto negativo de 0,20 ponto percentual no IPCA do mês.

Isso foi resultado da substituição, em primeiro de junho, da bandeira vermelha pela verde, levando a uma redução de R$ 3,00 a cada 100 kwh consumidos. Além disso, houve queda de 6,03% nas tarifas de Belo Horizonte.

Tudo isso pesou mais do que fatores de alta como o aumento do PIS/COFINS na maioria das regiões pesquisadas.

Outros fatores que pressionaram o grupo Habitação para cima foram aumentos de 1,14% nas contas de condomínio e de 2,16% nas de água e esgoto.

Outros grupos

Educação e Comunicação mantiveram a mesma taxa do mês anterior: 0,08% e 0,09%, respectivamente.

Vestuário reduziu a taxa (de 0,98% para 0,21%), assim como Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,62% para 0,46%), enquanto Despesas Pessoais acelerou de 0,23% para 0,33%.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980 e se refere às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos, abrangendo 10 regiões metropolitanas do país, além de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

Grupo Variação maio, em % Variação junho, em %
Índice Geral 0,31 -0,23
Alimentação e Bebidas -0,35 -0,50
Habitação 2,14 -0,77
Artigos de Residência -0,23 -0,07
Vestuário 0,98 0,21
Transportes -0,42 -0,52
Saúde e cuidados pessoais 0,62 0,46
Despesas pessoais 0,23 0,33
Educação 0,08 0,08
Comunicação 0,09 0,09

 

Grupo Impacto maio, em p.p. Impacto junho, em p.p.
Índice Geral 0,31 -0,23
Alimentação e Bebidas -0,09 -0,12
Habitação 0,32 -0,12
Artigos de Residência -0,01 0,00
Vestuário 0,06 0,01
Transportes -0,07 0,09
Saúde e cuidados pessoais 0,07 0,05
Despesas pessoais 0,03 0,04
Educação 0,00 0,00
Comunicação 0,00 0,00

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jorge Almada

    Isto é um péssimo sinal, remédio de mais pode matar o doente. Consumo da familias em baixa, desemprego, indústria estagnada, população endividada, juros na extrastofera, lojas e shopping vazios é o claro empobrecimento do brasileiro.

  2. A faixa de tolerância já é de 1,5 p.p para cima ou para baixo. A materia está errada afirmando que é 2 p.p.

  3. ViP Berbigao

    Ruim? Só se para os especuladores. Vão morrer com ‘bens podres’. Mas eles tem a solução. Vamos salvar a economia fazendo o Governo pagar a conta contraindo mais divida pública. E como? Por exemplo, comprando a produção de café e colocando fogo para diminuir a oferta… Q maravilha. Os barões do café foram salvos… e a economia? Ora! F. o povo!!! Vai ter mais carga tributaria para pagar a divida contraída para o ‘pacote de salvação’ da ‘economia’… Acha q engana!!!

  4. O maldito governo, sempreno egoísmo e na ganância de arrecadar mais e mais… sempre foi o culpado de tanta inflação.

  5. persianasflaci.blogspot.com

    Tambem com uma recessao batendo na porta , ninguem mais compra nada ,,assim fica facil a inflaçao baixar ..

    1. Luiz Carlos Toledo

      Batendo à porta? Depois de 3 anos seguidos de recessao, agora em 2017 a economia cresce pela primeira vez. Pouquinho, mas cresce. Mais do que a baixa demanda, as ações da equipe econômicas foram fundamentais para a queda da inflação.

  6. CH Planilhas Customizadas

    Sua empresa anda no Vermelho? Veja o Video https://youtu.be/-PRF05TuLls