Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,66 -0,03%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,43% 63.558 pts
Pontos 63.558
Variação 1,43%
Maior Alta 4,64% CYRE3
Maior Baixa -2,69% VALE3
Última atualização 24/05/2017 - 12:19 FONTE

BC do Japão avalia elevar previsão de inflação após do iene

Banco do Japão projeta atualmente que os preços ao consumidor subirão 1,5 por cento no ano fiscal de 2017 e 1,7 por cento no ano fiscal de 2018

Tóquio – O banco central do Japão está considerando uma leve alta nas previsões de preços ao consumidor em sua próxima reunião de política monetária, uma vez que o rápido enfraquecimento do iene impulsiona os preços de importação, disseram várias fontes à Reuters.

O Banco do Japão projeta atualmente que os preços ao consumidor subirão 1,5 por cento no ano fiscal de 2017 e 1,7 por cento no ano fiscal de 2018, de acordo com as previsões divulgadas em novembro.

Qualquer alta deve ser pequena quando o banco central atualizar suas previsões na reunião de política monetária em 30 e 31 de janeiro, mas uma estabilização recente dos preços do petróleo e uma economia global mais saudável também são favoráveis à inflação japonesa, disseram as fontes.

“Não se trata apenas do iene fraco”, disse uma fonte. “A economia global melhorou a partir do segundo semestre do ano passado e tem havido um ajuste nos estoques dos mercados emergentes”.

O banco central japonês publicará uma atualização trimestral de suas previsões de crescimento econômico e de preços ao consumidor na reunião. Quando o Banco do Japão divulgou suas últimas estimativas, em novembro, o dólar estava em torno de 104 ienes.

Desde então, o iene caiu cerca de 10 por cento devido à especulação de que as políticas do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, estimularão o crescimento e farão com que a taxa de juros dos EUA suba mais rápido do que o esperado.

Sinais de uma mudança nas exportações e na produção industrial japonesas levaram o Banco do Japão a elevar suas perspectivas econômicas no mês passado, destacando a crescente confiança do banco central de que a economia ficará mais forte neste ano.