Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,68 0,62%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,43% 63.559 pts
Pontos 63.559
Variação 1,43%
Maior Alta 5,99% SMLE3
Maior Baixa -3,10% SUZB5
Última atualização 24/05/2017 - 16:20 FONTE

Aumenta percentual de cheques devolvidos por falta de fundos

O percentual de devoluções de cheques pela segunda vez por insuficiência de fundos em todo o país foi de 2,46% do total de emissões em novembro

O percentual de devoluções de cheques pela segunda vez por insuficiência de fundos em todo o país foi de 2,46% do total de emissões em novembro, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos.

É o segundo maior índice para o 11º mês do ano desde o início da série histórica do indicador. Em novembro, foram 1.119.608 cheques devolvidos e 45.510.164 compensados.

O índice é menor do que o registrado em novembro do ano passado (2,61%) e menor do que o registrado em outubro (2,52%). No acumulado do ano, a porcentagem de cheques devolvidos foi de 2,37%.

Quando avaliadas as regiões, a região Norte teve um percentual de 5,21% do total de cheques compensados em novembro, maior que a devolução registrada em outubro (4,66%) e menor que os 5,41% registrado no mesmo mês do ano passado.

Na região Nordeste, a devolução de cheques naquele mês foi de 5,26%, maior que a devolução registrada em outubro (5,16%) e maior do que o registrado em novembro (5,47%).

Segundo os dados, na região Sudeste a devolução de cheques no mês de novembro foi de 1,97%. No mês anterior foi de 2,07% e em novembro de 2015 foi de 2,01%.

Na região Sul, a devolução de cheques em novembro foi de 2,02% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,11% de outubro e menor do que a registrada em novembro de 2015 (2,31%).

Na região Centro-Oeste, a porcentagem de cheques devolvidos em novembro foi de 3,42%, maior do que os 3m22% devolvidos em outubro. Em novembro do ano passado a devolução de cheques foi de 3,63%.

Segundo os economistas da Serasa Experian, a inadimplência com cheques permanece em patamar elevado por causa dos impactos do desemprego e da inflação sobre o poder de compra dos consumidores.