Dólar R$ 3,28 0,59%
Euro R$ 3,66 -0,41%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,27% 62.456 pts
Pontos 62.456
Variação 1,27%
Maior Alta 4,18% JBSS3
Maior Baixa -2,84% EMBR3
Última atualização 23/05/2017 - 15:29 FONTE

Argentina muda regras de telefonia para incentivar competição

Operadoras do país não vão mais serem impedidas de ofertarem simultaneamente TV, Internet, telefonia fixa e telefonia móvel

Buenos Aires – A Argentina afrouxou regras para permitir mais competição no setor de telecomunicações e ampliar a oferta de acesso à Internet, segundo decreto publicado nesta segunda-feira, com o qual o governo espera atrair bilhões de dólares em investimentos.

As operadoras não vão mais serem impedidas de ofertarem simultaneamente TV, Internet, telefonia fixa e telefonia móvel.

A companhia de televisão por satélite DirecTV, por exemplo, poderá vender serviços de Internet enquanto a operadora de cabo Cablevision poderá entrar no mercado de telefonia móvel 4G.

Além da Argentina, o Brasil está propondo novas regras para o setor de telefonia. As regras, que ainda precisam passar pela sanção do presidente Michel Temer, transformam concessões em regimes de autorizações, o que concederá às operadoras bilhões de reais em ativos que antes da mudança teriam que ser devolvidos ao Estado em 2025.

O primeiro artigo do decreto argentino afirma que o Estado vai “implementar regras básicas para atingir um maior grau de convergência das redes e serviços sob condições competitivas, promover a oferta de redes de próxima geração e a penetração de acesso rápido à Internet no território nacional”.

A reforma de telecomunicações na Argentina é uma de muitas mudanças promovidas pelo presidente Mauricio Macri, que tenta atrair investimentos em uma economia altamente regulada, com acesso restrito a mercados internacionais de capitais e ignorada por investidores estrangeiros por uma década até que ele assumiu o governo e começou a implementar reformas há um ano.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. antonio carlos

    Assim eu vou me mudar para lá. Bendito presidente deles e aqui deviam fazer iguais. Só que tem castas públicas e privadas parasitas aqui que não querem. Guatelmala fez isso há séculos.