Sâo Paulo - Pela primeira vez em 17 anos, o governo dos Estados Unidos foi fechado, obrigando 800 mil servidores públicos federais a tirarem "férias forçadas não-remuneradas". O motivo: um impasse político em torno da aprovação da proposta do orçamento anual.

Ainda é difícil prever as consequências econômicas já que não se sabe por quanto tempo este impasse vai durar, mas é certo que será um duro golpe para uma economia que há 5 anos tenta se reerguer da recessão.

Obamacare

Um dos principais programas de Barack Obama, o Ato de Saúde Acessível - mais conhecido como Obamacare - é o que está travando a aprovação do orçamento anual. 

Enquanto os democratas (partido do presidente americano) defendem o aumento dos impostos e cortes na Defesa, a oposição republicana quer a redução dos gastos sociais. 

A discussão travou quando os republicanos condicionaram a elevação do teto da dívida (que deve ser atingido em 16 dias, por isso a urgência) ao adiamento por um ano da reforma da saúde. Os democratas, é claro, não aceitaram.

Dívida

Sem a aprovação na Câmara e no Senado até 0h01 desta terça-feira, início do ano fiscal americano, o teto de endividamento do governo, de US$ 16,7 trilhões não poderá subir. O montante já havia sido atingido em maio, mas o governo usou medidas emergenciais para ganhar tempo - que acaba no próximo dia 17.

As consequências da não elevação do teto da dívida podem ir desde a retenção do pagamento de funcionários públicos ao congelamento dos pagamentos de juros da dívida americana - o que, embora menos provável, afetaria a economia mundial. 

Veja nas fotos os números que mostram as consequências do fechamento do governo americano.

Tópicos: Barack Obama, Personalidades, Políticos, Democratas, Dívida pública, Estados Unidos, Países ricos, Republicanos