Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,13%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Ajuste fiscal é ao mesmo tempo suave e duro, diz Mansueto

É suave, de acordo com ele, porque não haverá cortes de salários e não haverá cortes de pagamentos de aposentadoria e pensões

São Paulo – O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, disse nesta sexta-feira, 30, que o ajuste fiscal que governo está propondo é ao mesmo tempo suave e duro.

É suave, de acordo com ele, porque não haverá cortes de salários e não haverá cortes de pagamentos de aposentadoria e pensões. “Até porque isso é inconstitucional no Brasil”, disse Mansueto ao participar do 8º Fórum Exame – O Novo Cenário Político e Econômico.

De acordo com o secretário da Fazenda, a proposta do governo é dura porque vai no sentido de, daqui para frente, pelos próximos 20 anos – com a possibilidade de revisão da regra a partir do décimo ano -, controlar o crescimento das despesas.

“Isso é algo muito importante e muito audacioso, porque estamos em um país em que nos últimos vinte anos a despesa primária do governo federal cresceu, todos os anos, em média 6% acima da inflação”, disse Mansueto, sublinhando que agora o governo quer que nos próximos vinte anos estas despesas não financeiras do governo passem a ter um crescimento real zero a cada ano.

Isso, de acordo com Mansueto, quer dizer que, se o Brasil voltar a crescer como se espera dentro do governo, as despesas do governo sobre o PIB todos os anos vão cair 0,5%.

“Em dez anos, a gente vai ter uma economia de 5 pontos porcentuais do PIB”, afirmou o secretário. O ponto de partida é uma despesa primária do governo que no final deste ano vai atingir 20% do PIB”, ressaltou.

Mansueto disse que é preciso transformar o déficit do governo federal, de R$ 170,5 bilhões, ou 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB), em um superávit de pelo menos 2,5 a 3% do PIB.

“Estou falando de uma virada, de um esforço fiscal de 5,5 a 6 pontos porcentuais do PIB. Algo como R$ 400 bilhões”, disse o secretário, para quem essa é a única forma de se fazer o ajuste fiscal sem ter que aumentar a carga tributária.