Você não sai do Facebook porque ama julgar quem está lá

Os usuários da Facebook parecem mesmo é gostar de silenciosamente julgar os próprios amigos dos quais discordam

São Paulo – Parece um tanto contraditório, mas não é. O site The Next Web, especializado em tecnologia, publicou um artigo sobre uma pesquisa científica realizada por um de seus jornalistas. Nela, a conclusão a que os pesquisadores chegaram foi que os usuários do Facebook permanecem conectados com os amigos na rede social, mesmo que algumas publicações os aborreçam ou os ofendam.

Em um universo de mais de 100 pessoas que foram analisadas e entrevistadas, Philip Seargeant e Caroline Tagg descobriram que os usuários parecem gostar de silenciosamente julgar os próprios amigos dos quais discordam, em vez de cortar a amizade ou até mesmo desafiá-los para uma troca de ideias.

“Em outras palavras, o Facebook reflete a dinâmica do interior de todas as relações humanas. Assim como na vida offline, as pessoas se abrem e se ligam às outras ao mesmo tempo em que têm de lidar com os atritos das amizades do dia-a-dia”, afirmam os pesquisadores no artigo.

Os autores da pesquisa encontraram um alto número de pessoas que se sentiam frequentemente ofendidas pelo conteúdo que seus amigos postavam.

De acordo com os pesquisadores, as publicações giravam em torno de opiniões políticas extremas (como racismo, homofobia e visões políticas partidárias), além de um compartilhamento abusivo da rotina e de posts de autopromoção.

Uma possível explicação dada pelos pesquisadores está no fato de a rede de amigos do usuário ser constituída por pessoas de várias fases da vida e que são colocadas de súbito em um mesmo lugar.

A publicação do post, que é difícil de prever quem lerá, pode ser direcionada para pessoas que possuem um variedade de valores e crenças diferentes.

“Nas conversas tête-à-tête, você provavelmente fala com seu sogro, colegas de trabalho ou amigos do ensino fundamental em contextos separados, usando estilos diferentes de comunicação, enquanto que no Facebook eles todos veem o seu mesmo lado, assim como conseguem ver as opiniões daqueles que estão ligados a você”, explicam os autores da pesquisa.

Ou seja, afirmam os pesquisadores, os usuários estão se engajando em conversas pessoais em mais espaços públicos do que antes e que os sistemas de valores diferentes que esses amigos diversos têm podem facilmente entrar em conflito.

“Mas a natureza dos laços que as pessoas têm no Facebook significa que frequentemente não dá para se libertar das pessoas que você acha chata ou ofensiva “