Veja o que acontece no seu rosto enquanto você canta

Técnica pode ajudará no estudo da prevenção contra a atrofia vocal

Cantar é uma atividade que exercita cerca de 100 músculos da face, mas a maioria deles não é visível a olho nu. Uma nova técnica de ressonância magnética pode mostrar o que acontece no seu rosto enquanto você canta.

Em um vídeo que capta 100 quadros por segundo, é possível ver a “sinfonia” muscular da face humana em plena atividade. Para efeito de comparação, mesmo os smartphones com melhores câmeras, como o Galaxy S6, filmam até 60 quadros em um segundo. Mais do que isso só é obtido em gravações em câmera lenta.

O método foi criado pelo Professor Aaron Johnson, da Universidade de Illinois, junto a sua equipe de que estuda a tecnologia e a ciência da bioimagem, no Instituto Beckman.

Diferentemente da técnica usada pelo músico Sivu no ano passado, essa nova forma de registrar o rosto humano durante o canto não requer edição e pode ser vista em tempo real.

“O fato de que podemos produzir todos os tipos de sons e o de que podemos cantar é incrível para mim”, declarou Aaron Johnson, membro afiliado no grupo de estudo da tecnologia e ciência da bioimagem no Instituto Beckman e professor assistente de ciências da fala e audição da universidade de Illinois.

O objetivo da criação desta nova técnica é avaliar se exercícios podem reverter atrofia vocal relacionada ao envelhecimento, bem como melhorar o funcionamento da laringe em adultos mais velhos, já que, além do rosto, também é possível ver os músculos do pescoço com o novo método de ressonância magnética.

“As imagens são muito detalhadas e rápidas. Muitas vezes você pode conseguir apenas um desses itens em uma ressonância magnética”, afirmou Brad Sutton, diretor técnico da Biomedical Imaging Center do Instituto.

“Estou interessado em compreender como ocorrem essas mudanças, e se as intervenções, como o treinamento vocal, podem reverter estes efeitos. Para isso, preciso observar a forma como os músculos da laringe se movimentam em tempo real.”

Fonte: CNET