Treinar muito não garante a vitória, apontam pesquisadores

De acordo com estudo realizado por psicólogos de três universidades americanas, treino representa em média uma variação de apenas 12% no desempenho

São Paulo – Um novo estudo realizado pelos departamentos de psicologia das universidades americanas de Michigan, Princeton e Rice vem confirmar a velha crença de que treino é treino e jogo é jogo.

Essa conclusão foi alcançada após a análise de 88 pesquisas realizadas nos últimos 21 anos que avaliaram a relação entre treinamento e desempenho. A análise deu origem a um artigo divulgado pela Psychological Science, renomada publicação da área de ciência.

Após o levantamento, ficou constatado que o desempenho de quem treina é, em média, 12% melhor do que o de quem não treina. No estudo, foram levadas em contas diversas áreas – como xadrez, jogos de soletração e até a atividade profissional de médicos.

“Não há dúvida de que o treino é importante, tanto do ponto de vista estatístico quanto do teórico. Ele só é menos importante do que se acreditava”, afirmou Brooke Macnamara – que coordenou o estudo em questão.

Áreas

Para cada área, o treinamento tem um peso diferente para quem alcança o sucesso.

Segundo os pesquisadores, o treino corresponde a 26% do bom desempenho quando o assunto são jogos digitais e 21% quando se trata de música. Em esportes, a porcentagem cai para 18% – chegando a representar 4% e 1% nas áreas de educação e atuação profissional, respectivamente.

Para especialistas da área como Frans Johansson, a importância do treino está diretamente relacionada à previsibilidade envolvida na atividade em questão.

Assim, enquanto em ambientes como esportes e games as regras são fixas e tendem a levar ao sucesso se forem obedecidas, o mesmo não acontece em áreas como a aprendizagem educacional e nas situações de trabalho, por exemplo.

O estudo liderado por Macnamara vem derrubar teses como as defendidas pelo escritor Malcolm Gladwell, para quem 10 mil horas de prática de qualquer atividade tornam quem as pratica uma referência mundial no que faz.

Agora, os cientistas querem saber o que, além do treinamento, pode levar alguém ao sucesso. “Para os cientistas, a questão importante agora é: o que mais influencia nisso?”, afirma Macnamara. É esperar para ver.