Tetraplégica pilota simulador de caça F-35 utilizando apenas a mente

Uma americana de 55 anos pilotou o simulador com dois eletrodos instalados em seu cérebro

Uma tetraplégica americana de 55 anos conseguiu pilotar o simulador de um jato F-35 usando suas ondas cerebrais.

Ainda em 2012, Jan Scheuermann aceitou participar de um programa piloto do Pentágono para instalar em seu cérebro eletrodos capazes de controlar um braço robótico.

Os dois implantes do tamanho de grãos de ervilha foram colocados no córtex esquerdo da paciente, que perdeu os movimentos do corpo após sofrer uma doença genética rara.

Apesar do córtex esquerdo do cérebro controlar os movimentos dos membros do lado direito, Scheuermann foi capaz de controlar ambos próteses robóticas instaladas em ambos lados do corpo.

Então, a paciente decidiu tentar pilotar um simulador do F-35 Joint Strike Fighter, o jato mais novo da Força Aérea dos Estados Unidos e considerado o avião de guerra mais caro do planeta.

“Ao invés de pensar em controlar um joystick, que é o que nossos melhores pilotos fazem quando estão dirigindo esta coisa, Jan está pensando em como controlar o avião diretamente”, afirma Arati Prabhakar, diretor do DARPA, centro de alta tecnologia das Forças Armadas americanas.

O pesquisador afirma que a pesquisa ainda está longe de se tornar realidade, principalmente pelas questões éticas levantadas pela união da biologia com a robótica.

“Abrimos uma porta na qual podemos enxergar um futuro no qual o cérebro estará livre das limitações do corpo humano, mas também imaginar as incríveis coisas boas e ruins que estão do outro lado dessa porta”, afirma Prabhakar.