Smartphones podem detectar se você está entediado

Pesquisadores da Alemanha e da Espanha desenvolveram um algoritmo para smartphones que afirma com 83% de precisão se uma pessoa está entediada

São Paulo – Pesquisadores criaram um detector de tédio para smartphones. O algoritmo desenvolvido por cientistas do Centro de Pesquisa da Telefónica em Barcelona e da Universidade de Stuttgart, na Alemanha, consegue descobrir se uma pessoa está entediada a partir de sua atividade com o dispositivo móvel. A precisão de acerto da tecnologia é bem alta, chegando a 82,9% de acerto.

Eles consideraram vários fatores para fazer a pesquisa. Um deles é a quantidade de tempo que o usuário passa sem receber uma mensagem ou uma ligação.

Além disso, os pesquisadores também coletaram dados como a intensidade de uso do smartphone, as características demográficas do usuário e o horário.

Foram recolhidos mais de 40 milhões de registros de utilização de smartphones e 4.398 auto relatos de tédio de 54 usuários de telefonia móvel durante duas semanas.

No entanto, esta foi apenas a primeira parte da pesquisa. Logo em sequência, os cientistas decidiram fazer um estudo de campo com 16 participantes.

Ele funcionou da seguinte forma: todos os participantes receberam alertas para checarem artigos no site Buzzfeed em seus smartphones. O que os pesquisadores descobriram é que os usuários que estavam entediados clicaram mais no portal do que os que não estavam com tédio.

Tédio é mensurável?

Mas como eles conseguiram detectar o tédio? Segundo o estudo, os cientistas determinaram esta característica com o uso de um app para Android. Eles pediram para os 16 participantes avaliarem seu nível de tédio, diversas vezes por dia durante duas semanas, neste aplicativo.

Depois, compararam as respostas com outras informações retiradas dos smartphones dos usuários, como a quantidade de apps utilizados e o quão intensamente o aparelho foi usado.

Desse modo, os pesquisadores foram capazes de desenvolver outro aplicativo, que concluía sozinho se a pessoa estava entediada. Caso ela estivesse com tédio, o app enviava um alerta para o smartphone perguntando se ela queria ler um artigo no Buzzfeed.

Foi assim que eles descobriram que os usuários entediados clicavam mais nos artigos do que as pessoas que receberam os alertas de maneira aleatória.

“Agora, os pesquisadores querem descobrir qual é o tipo de conteúdo que as pessoas querem ver quando estão entediadas”, disse Tilman Dingler, um dos autores do estudo, ao site MIT Technology Review.

Um fim mais nobre

Apesar de a pesquisa ser interessante, ela pode não ser conclusiva. De acordo com M. Ehsan Hoque, professor de ciência da computação na Universidade de Rochester, nos EUA, o estudo pode não captar o verdadeiro tédio, já que os estados mentais dos seres humanos são, muitas vezes, subconscientes.

“Uma maneira mais objetiva para medir a mesma coisa seria pedir às pessoas se elas querem jogar um jogo em seu smartphone. Depois disso, observar quantas vezes eles dizem que sim e, em seguida, quanto tempo eles jogam o game”, disse Hoque.

No entanto, segundo o próprio professor, o estudo pode ter um uso mais nobre. “Nós sabemos que o tédio leva à depressão, por isso, se você pode descobrir se a pessoa está entediada, você pode auxiliá-la”, finalizou Hoque. 

Como o estudo indica, os seres humanos são constantemente estimulados pela tecnologia. Cerca de 43% do seu tempo é dedicado a atividades de entretenimento, como assistir à televisão e navegar na web e nas mídias sociais.

Assim, descobrir como alegrar as pessoas a partir destes dispositivos, pode ajudá-las a combater a depressão.