Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Recorrer a psicólogo é “reconhecimento de fraqueza” no futebol

Para os jogadores, há muitas vezes um distanciamento em relação aos discursos psicológicos

O sociólogo Frédéric Rasera vivenciou o cotidiano do vestiário de uma equipe da Segunda Divisão francesa por 16 meses, no intuito de colher dados para escrever o livro “Des footbaleurs au travail” (“Jogadores de futebol no trabalho”, em francês), e pôde constatar que o apoio psicológico podia ser “mal visto”, em um meio no qual os valores viris são prioritários.

– Preparadores mentais ou psicólogos estavam presentes no clube em que você conduziu sua pesquisa?

“O clube chamava psicólogos para intervir de maneira bem pontual, mas era algo bem periférico. Para os jogadores, há muitas vezes um distanciamento em relação aos discursos psicológicos. A primeira reação é ‘não precisamos disso’. Ter o acompanhamento de um psicólogo pode ser considerado como uma admissão de fraqueza, quase uma crise de virilidade”.

– Como eram as sessões?

“Eu lembro de um jogador que estava interessado com esse tema, mas tinha medo de ser mal visto. Muitos riam, diziam que isso não servia para nada. Eles tinham uma conduta muito diferente quando estavam presentes o técnico ou o presidente do clube”.

– Como você explica essa relutância?

“O futebol recruta principalmente nas camadas mais populares, nas quais são valorizadas a força física, o lado durão ou mau, a excelência masculina do jogador. Se acredita que é preciso aguentar os golpes, que é preciso ter força mental, aliás é isso que os técnicos repetem regularmente. É difícil reconhecer publicamente que temos dificuldades psicológicas”.