Presidente da Libéria declara toque de recolher para combater ebola

Em outra das medidas adotadas, a presidente decretou o fechamento de todos os centros de lazer, incluídos os vídeo clubes, a partir das 18h

A presidente da Libéria, Ellen Johnson-Sirleaf, declarou toque de recolher no país a partir das 21h até às 6h, para ajudar no combater da expansão do ebola no país mais afetado pelo vírus, onde já morreram desde o início do surto, em março, 466 pessoas.

“Desde esta quarta-feira, 20 de agosto, haverá um toque de recolher de 21h às 6h”, disse Johnson-Sirleaf em discurso à nação pronunciado na terça-feira e publicado hoje pela imprensa local.

Em outra das medidas adotadas, a presidente decretou o fechamento de todos os centros de lazer, incluídos os vídeo clubes, a partir das 18h.

Além disso, as autoridades puseram em quarentena os populosos bairros de West Point, na capital, Monróvia, e Dolo Town, no condado de Margibi, a uma hora da capital.

“Isto significa que não haverá entradas nem saídas destas áreas”, disse Johnson-Sirleaf.

Segundo a presidente liberiana, que pediu a colaboração dos cidadãos, as medidas “buscam salvar vidas e tornar os esforços do governo para combater a doença mais efetivos e rápidos”.

A presidente elogiou “alguns sucessos” na luta contra o surto, mas reconheceu, visivelmente contrariada, que o país está longe de ter controlado a extensão do vírus devido à negação do problema, a resistência de abandonar os enterros tradicionais e a seguir os conselhos dos médicos e do governo.

Segundo a última apuração da Organização Mundial da Saúde (OMS), desde março a epidemia matou 1.229 pessoas e infectou 2.240 na África Ocidental.

O ebola, transmitido por contato direto com sangue ou fluidos corporais de pessoas ou animais infectados, causa hemorragias graves e tem uma taxa de mortalidade que chega aos 90%.

As 10 fotos mais chocantes da epidemia do ebola na Libéria

Clique para abrir o link no navegador